© theme. +

Capitulo 6…

 

- Eu te amo Gabriela… Eu te amo! - ele disse assim que meus olhos se chocaram com os seus.

 

- Também te amo Fer, - respondi com sinceridade -Te amo…

Minhas mãos seguraram cada lado de seu rosto, e aproximei meu rosto do seu, iniciando mais um beijo carregado de amor e saudade…

 

***

 

Gabriela

 

Precisava sentir novamente a doçura dos seus lábios e o calor que sua mão proporcionava ao meu corpo. Cada toque em minha cintura estremecia-me intimamente e seus beijos me levavam a outro mundo… Ao nosso mundo…

Tenho certeza absoluta que aquelas sensações maravilhosas não somente me atingiam… A cada beijo que Fernando e eu trocávamos os lábios dele me diziam que ele também desejava e havia esperado por aquele momento igualmente ou mais que eu. O desejo de minha alma era deixar a paixão e os instintos me guiarem para os braços do homem que eu amo. Mas um fio de sanidade me levou a realidade que instantaneamente voltou incomodar a minha mente… Naquele exato momento as piores das nossas lembranças começaram a passar sobre meus olhos enquanto ele me beijava…

O motivo gritante das duas vezes em que nos separamos me deixava completamente sem saber o que fazer… Eu queria seus beijos, mas eu queria também resolver o meu passado…

 

***

 Meados de Março de 2011

"O que? Você não acredita em mim Fernando?"

"Não é isso meu amor, apenas acho que as coisas podem não ter acontecido do jeito que você pensa"

"Ótimo, o homem que eu amo acha que eu estou mentindo.”

"Não Gaby é que…"

"Fernando, minha família e eu fomos parar no hospital, fomos todos vitimas de envenenamento. Você acha que eu brincaria com um assunto tão sério como esse?"

~ Não acreditava que aquilo realmente estava acontecendo, mesmo depois de tantos obstáculos para que ficássemos juntos, depois de tantas declarações de amor trocadas, ele, justamente ele não acreditava na minha verdade…

“Fernando?… Por que? Por que você está duvidando de mim? Alguém anda te falando besteiras a meu respeito não é? Como você pode dizer que eu sou a mulher da sua vida e depois demonstrar que não confia na minha palavra, no que eu vivi… Fernando você estava junto comigo o tempo todo!”

Eu falava aquilo o encarando com uma raiva que nunca em minha vida havia sentido…

"Não meu amor, não é isso. Só digo que pode haver um segundo lado da historia. A Carmen falou que…"

"Carmen? Claro tinha que ser ela não é?! Só você que não percebe que essa mulher é só uma aproveitadora que quer ver o fracasso dos outros?"

“Gabriela não vou admitir você falando da Carmen assim, sabes que ela é muito importante pra mim!…”

~Aquelas palavras me atingiram da pior maneira, eu já não conseguia mais conter minhas lagrimas, como ele podia estar fazendo aquilo comigo?… Duvidar de mim! Duvidar de tudo o que eu estava passando…

“Mais importante do que eu não é Fernando? Ai… Por que ela fica colocando essas mentiras na sua cabeça… Que raiva!…”

“Mentiras?… Gabriela você tem absoluta certeza que essa moça envenenou você e a sua família?”

 “O que?… Foi a esse ponto que a sua queridinha Carmen Salinas fez a tua cabeça dessa vez? Você não confia em nada do que eu te falo agora? Você nem sequer está comovido com tudo o que eu estou passando… Fernando você não pode estar cego dessa maneira… Você estava acompanhando tudo!…Por que Fernando, por que?

***

Aquelas lembranças maltratavam o meu coração de tal forma que motivavam uma briga entre o que aquele beijo representava e o que a minha mente recordava.

Me separando um pouco de seus lábios, eu pronunciei seu nome tentando chamar atenção para o conflito interno que eu estava vivendo.

 - Fernando…

- Gaby, minha Gaby…

Sem dar tempo para que eu falasse qualquer coisa, ele capturou novamente meus lábios. E eu mais uma vez fui levada para o nosso mundo pelo sabor de seus beijos, que eram calorosos e demonstravam toda saudade, paixão, amor e desejo que consumiam nossos corpos.

 Cada parte da minha pele estava sensível ao seu toque, e isso aliado ao encaixe de nossas bocas me levaram a um nível de rendição do qual eu achei que estava curada…

Depois de alguns minutos de total entrega, as lembranças voltaram a tomar conta dos meus pensamentos…

***

“Por que você esta deixando a Carmen e sabe se lá mais quem te envenenar contra mim?… Meu Deus essa mulher te fez mudar de ideia assim nesse mínimo tempo que eu saí da emissora…

Claro ela nem se atrevia chegar perto de ti quando eu estava lá, mais agora deve ficar o tempo inteiro falando barbaridades ao meu respeito pra você… Eu só não imaginava que você era tão cabeça fraca assim… Ai Fernando vamos nos separar novamente por causa dos outros?…”

 

 “Gabriela, não! Calma, não ponha tudo a perder por causa de um mal entendido!”

 ”Nunca houve mal entendido Fernando, você apenas esta cego, e não consegue mais acreditar na minha palavra. E isso é algo que eu não posso aceitar! Não agora! E você sabe o por que?…”

“Meu amor…”

“Por que até esse momento Fernando você era o meu porto seguro, e saber que você esta duvidando de mim agora que eu ainda preciso tanto de ti é a pior coisa que poderia me acontecer… Você não esta mais ao meu lado Fer… Você esta do lado de todos que estão me acusando e julgando! ”

“Não!…Gabriela me escuta? Eu Te Amo”

 “Ai Fer, eu também te amo, mas as vezes o amor não é o bastante…”

“Gabriela, não!… Dessa vez pode não ter mais volta meu amor!… Não me deixa… Se você for, eu…”

 

~ Aquelas palavras foram o fim pra mim… Ninguém jamais vai realmente entender o que eu passei naquele momento… Eu amava aquele homem, amava como nunca havia amado nenhum outro homem na minha vida, mas ele feriu o que eu mais prezava… Ele feriu a minha dignidade!…

Naquele dia não soube o termino daquela frase… Sai e não olhei pra traz… Por quase um ano perdi a doçura da minha alma, perdi aquele me roubava os melhores sorrisos… Realmente achei que havia perdido o grande amor da minha vida…

 

***

-Fer… Minha voz saiu ofegante de minha garganta.

-Meu amor…

Fernando respondeu ao meu chamado enquanto beijava meu pescoço com dedicação… Posso dizer que aquela atitude estava dificultando ainda mais a minha decisão, meu corpo clamava pelo dele, Fernando sempre me deixava vulnerável a ele!… Mas não poderia ser assim, não sem resolvermos o que tanto me machucava e atormentava… Eu não estava somente relembrando o passado, eu estava o presenciando novamente… Aquelas lembranças trouxeram lagrimas ao meu rosto, e na verdade esse foi o motivo que fez Fer se afastar de mim…

-Gaby, o que foi? Por que você está chorando?

-Eu não suporto mais Fernando… Você parece que não sabe o que realmente fazer… Você acha que eu consigo superar tudo o que você me falou… Eu não consigo!!! Todas as suas duvidas pra cima de mim, bem naquele momento… No momento que eu mais precisava do seu apoio… E depois que te perdoei, você errar comigo novamente por causa dos meus motivos… Eu não posso aguentar mais isso Fernando!

 Ele me abraçou tão forte que mais uma vez a minha ansiedade em tê-lo junto a mim começou a gritar dentro do meu ser… Mais eu não podia mais me deixar levar pelos meus instintos…. Não! Ou resolvíamos o passado, ou não haveria futuro!

-Gaby, eu já não sei mais de que forma te pedir perdão… Eu já te disse que eu me sinto o pior homem do mundo por ter te magoado… Gaby entenda eu te amo, eu quero te ter ao meu lado, me perdoe! ME PERDOE!!!…

-Não é isso que eu quero escutar! Eu já te disse milhares de vezes Fernando!… Ai… Me solta!…

Eu o empurrei para longe de mim… Por que só assim eu podia ter completo domínio do meu corpo… Mais assim como eu rapidamente o empurrei, ele também se aproximou novamente…

-Gaby, não! Por favor então me diz o que você quer ouvir! Me diz?

 -Eu não posso te dizer!… Você tem que entender!… Fernando eu achei que você tinha compreendido, e por isso tinha me chamado… Mais eu vejo que não, novamente estamos revivendo essa cena… Foi um erro eu vir aqui!… Eu vou embora!

Eu sai correndo daquela cozinha, subi as escadas o mais rápido que eu pude, mais eu sabia que ele estava vindo logo atrás de mim…

Assim que entrei no quarto e comecei a juntar tudo o que eu já havia espalhado, ele me virou para ele e me segurando forte pelos braços me encostou em uma parede e fez algo que eu não imaginava…

Ele sempre me deixava ir, mais dessa vez se impôs e de um jeito que inicialmente me deixou com muito medo…

-Você não vai ir a lugar nenhum Gabriela!

 -O que você pensa que esta fazendo!… Me solta você esta me machucando! Fernando me solta!!!…

-Você sabe que eu não estou te machucando!… Olha aqui pra mim, olha pra mim Gabriela…

~Meu Deus por que esse cheiro, por que ele tinha que estar ali sem camisa, por que tinha que estar me encostando na parede dessa forma tão abusiva… Por que? Eu não conseguia me controlar…

- Não… Eu, eu não vou olhar pra você… Eu só quero que… quero que você me solte e me deixe ir embora…

- Eu já disse que você não vai ir embora… Dessa vez não! Agora olha pra mim!… Gaby por favor…

Ele baixou seu tom de voz e depois de me chamar pelo meu apelido, ele praticamente implorou para que eu o olhasse…

 -Fernando para… Você já sabe quantas vezes essa conversa chegou a um ponto que depois eu só saia mais magoada… Você ainda não entende os meus motivos, e eu não quero prosseguir com isso… Só me deixe ir embora…  

–Por que você tem que ser tão cabeça dura Gabriela, fica comigo? Não me deixa outra vez… Eu não suportaria ver você me deixar, desistir do nosso amor pela 4 vez. Não Gaby, você não vai sair daqui. Não vou perder o amor da minha vida porque ela é uma orgulhosa e quer ouvir algo que eu mesmo não sei o que é.

-Me deixe passar Fernando!

Disse nervosa tentando achar um meio de passar entre ele que bloqueava a minha passagem.

-Não vou deixar você escapar de mim dessa vez Gaby.

Ele disse dando um passo atrás me deixando surpresa

- Me desculpe por isso, mas é a única coisa que posso fazer nesse momento…

 Ao falar isso Fernando em um piscar de olhos soltou meus braços e atravessou o quarto em questão de segundos…

 Meu coração se acelerou quando ele tocou na chave da fechadura. Eu tinha uma ideia das suas pretensões mas ele não seria capaz de executa-las. Seria?

- Do que esta falando?

Perguntei ainda mais nervosa, mas ao vê-lo me olhar e puxar a porta do quarto,e instantaneamente a raiva cresceu ainda mais dentro de mim, me deixando furiosa.

 - O QUE PRETENDE FAZER?

Perguntei irritada.

- Me desculpe meu amor, eu te amo!

Ele disse puxando a porta e a trancando logo em seguida.

Corri ate a mesma, e tentei inutilmente abri-la.

 - ABRA ESSA PORTA FERNANDO.

Gritava movida pela raiva.

- Só vou abrir quando concordar em ficar, tente se acalmar e pensar em nós Gaby, por favor!

 Logo depois de dizer isso ouvi seus passos descendo as escadas…

Durante muitos minutos andei de um lado para o outro naquele quarto, tentando me acalmar, e enquanto sentia meu coração pulsar pela raiva me perguntava em como podia ter me apaixonado por ele.

Tudo o que queria naquele momento era sair daquela casa, daquela fazenda e esquecer que havia estado ali, estado com ele. Eu tentava conter a raiva, Fernando havia me trancado no quarto como se eu fosse de sua posse, como se fosse um animal de estimação e aquilo me deixava furiosa.

- Você é um grosseiro, um estúpido, um idiota Fernando Colunga!… Como posso te amar tanto assim?

 Disse me sentando na cama com a respiração acelerada … Os batimentos de meu coração pulsavam em meus ouvidos, se eu o visse em minha frente naquele momento era capaz de lhe dar uma bofetada tamanha era minha raiva para com ele.

 - Sou uma idiota, idiota…

Disse batendo as mãos com força contra a cama. 

“Tente se acalmar e pensar em nós Gaby, por favor…”

Aquela frase ecoou em minha mente.

-Como se eu pensasse em outra coisa que não fosse você!

Disse nervosa comigo mesma.

-Arggg… Por que era tão difícil te esquecer?

Deitei na cama tentando me acalmar, mas tudo o que via era Fernando…. Seus beijos, seus toques, ele me fazendo sua…

 Fechei os olhos com força tentando parar de pensar nele mais era impossível… Ainda mais quando sua voz ecoou no quarto…

 -ESTÁ PENSANDO EM NÓS MEU AMOR?

Ele gritou na porta, sua voz soava divertida. Como podia se divertir com isso?

 -CALA A BOCA FERNANDO! CALA A BOCA!!!

Gritei e tampei meus ouvidos rapidamente, mais não o suficiente para não ouvi-lo.

-Vou estar aqui te esperando

 Ele disse em um tom mais baixo…

-Quando decidir ficar, eu abro a porta.

 - SAIA DAQUI!… EU NAO QUERO OUVIR SUA VOZ!

Assim que gritei eu o ouvi descer a escada novamente entre risos…

O tempo passava e minha mente, ou melhor meu coração me tracionava, mesmo tentando não pensar nele não conseguia. A todo momento lembranças de nós dois juntos me atormentavam, bombardeando meu coração, e enchendo a minha cabeça…

-Como ele pode fazer isso comigo? Como?… Como ele pode ter sido capaz de me prender em um lugar contra a minha vontade?

Como ele podia dizer que não sabia o que eu queria ouvir, se pela segunda vez ele me tracionou, e cometendo o mesmo erro… Como ele foi capaz a se submeter a trabalhar com a mulher que quase tirou a minha vida, a do meu bebê e da minha família?… Como ele podia, depois de todo aquele ano maravilhoso que vivemos, mesmo que fosse as escondidas… Por que não se posicionou ao meu favor? Por que não gritou pro mundo inteiro que estava ao meu lado? Eu o havia perdoado, eu havia passado por cima de tudo o que mais prezava na vida, por ele, e ele me deu isso em troca… Ai Fernando Por que?…

 Depois de me questionar e chorar por um tempo mergulhada naquelas lembranças que tanto me traziam dor, Lembranças maravilhosas começaram a passar por minha mente e então um sorriso bobo surgiu em meus lábios quando recordei aquele dia em que o perdoei… Era três de março de 2012 quando a vida começou a sorrir para nós dois novamente…

Escrito por:

Andrea Monteiro (https://twitter.com/MissBracho_)

Dayane Cristina (https://twitter.com/DayCristinaa

reblog
hace 6 meses on 15 Marzo 2014 @ 10:35pm 3 notas

"Cuando tú estás conmigo es cuando yo digo que valió la pena todo, todo lo que yo he sufrido. No sé si es un sueño aún o es una realidad, pero cuando estoy contigo es cuando digo que este amor que siento es por que tú lo has merecido… Con decirte amor que otra vez he amanecido. Llorando de felicidad a tu lado yo siento que estoy viviendo, nada es como ayer. Abrázame que el tiempo pasa y él nunca perdona, ha hecho estragos en mi gente como en mi persona. Abrázame que el tiempo es malo y muy cruel amigo. Abrázame que el tiempo es oro si tú estás conmigo… Abrázame fuerte, muy fuerte, más fuerte que nunca, siempre abrázame. Hoy que tú estás conmigo, yo no sé si está pasando el tiempo o tú lo has detenido. Así quiero estar por siempre, aprovecho que estás tú conmigo, te doy gracias por cada momento de mi vivir. Tú cuando mires para el cielo, por cada estrella que aparezca amor es un ‘te quiero’. Abrázame que el tiempo hiere y el cielo es testigo, que el tiempo es cruel a nadie quiere por eso te digo: Abrázame muy fuerte amor manténeme así a tu lado, yo quiero agradecerte amor todo lo que me has dado. Quiero poder ponerte de una forma u otra a diario, amor yo nunca del dolor he sido partidario, pero a mí me tocó sufrir cuando confié y creí en alguien que juró que daba su vida por mí. Abrázame que el tiempo pasa y ese no se detiene, abrázame muy fuerte amor que el tiempo en contra viene, abrázame que Dios perdona pero el tiempo a ninguno… Abrázame fuerte amor."

reblog
hace 6 meses on 13 Marzo 2014 @ 12:31pm 2 notas

"Teníamos las narices a tan poca distancia que pensé que con un leve movimiento podíamos rozarlas. Pero lo más impresionante eran los ojos.

Mis ojos, los suyos.

Mis ojos en los de él. Sus ojos tenían mi cara dentro.

'Te quiero', me dijo.

Y me dio un beso.

Me rozó los labios. Y lo único que sentí fue cosquilla en la panza.”

Paulina&CarlosDaniel.

reblog
hace 6 meses on 11 Marzo 2014 @ 10:26pm 5 notas

Capítulo 30

Despedimo-nos dos jornalistas, entramos no carro e fomos em direção à casa de Blanca. Ela iria fazer uma social para comemorar a estreia da peça. Apesar de estar muito cansada não criei objeções para ir, afinal Fer estava muito empolgado com os últimos acontecimentos. No caminho para a casa de Blanca, comentamos sobre a surpresa dos jornalistas ao ver Fernando assumir um relacionamento e, principalmente, por ser comigo, já que não trabalhávamos juntos há tanto tempo.

- A essa hora nossas fãs “SpaniColungas” devem estar em êxtase – Continuei – Você sabia que é assim que as nossas admiradoras nos chamam? “SpaniColunga” – Comentei sorrindo, ao lembrar de quantas tags no twitter, cartas, montagens e até mesmo histórias minhas fãs já fizeram para nos ver juntos.

- Você acha mesmo que eu não sabia disso, amor? Gabriela Spanic, assuma você sempre foi afim de mim, só não admitia para si mesma – Respondeu brincando.

- Como assim? – Disse boquiaberta – Por que você está falando isso?

- Humm, vamos as provas? Eu sou o ator que você mais gostou de trabalhar e – ressaltou ele – De beijar… Também não podemos esquecer que você ama o meu cheiro, que gostaria de um homem como eu que não fosse ator. Juro que quando você disse isso, pensei seriamente em abandonar a carreira – Brincou ele.

Eu estava simplesmente perplexa e um pouco envergonhada por ele saber que eu já havia dito tantas coisas sobre.

- Como você sabe sobre tudo isso? Acaso além de ator o meu amor também é detetive? – Sorri meio sem jeito

- Digamos que eu tenho minhas fontes – Disse ele estacionando o carro. Havíamos chegado ao condomínio de Blanca e eu nem tinha percebido – E alguma coisa em mim, não me pergunte o que ou o porquê, sempre me dizia que terminaríamos juntos.

Tirei o cinto de segurança e entrelacei meus braços em seu pescoço – Humm, nossa, além de ator, detetive, cantor nas horas vagas, cavalheiro, conquistador de crianças, o homem que melhor me beijou ainda é profeta? - Brinquei

- Não, eu não sou profeta – Falou afagando meu nariz com os dedos – Nós dois sabemos porque não ficamos juntos no passado, mas não é ele que importa. O que importa é que você é o meu presente e o meu futuro, você é minha assim como eu sou seu.

- Eu acredito no amor, eu acredito em nós. – Confessei a ele

Eu o olhava no fundo dos seus olhos e só conseguia ver o quanto o meu amor por ele era recíproco. Porque a minha felicidade era estampada no olhar dele, assim como a felicidade dele era estampada em meu sorriso e em cada parte do meu rosto. Era como se fôssemos um só, como se o nosso coração batesse numa mesma sintonia. Não existia mais o “eu” e “ele” e sim o “nós”.

Depois de um tempo a sós, entramos na casa de Blanca, era uma casa bonita, nem muito grande, nem muito luxuosa, mas bonita. Assim que entrei vi que a decoração da casa queera de muito bom gosto, apesar das cores que não eram do meu agrado. Quando chegamos à sala onde estavam os convidados, eu e Fernando roubamos os olhares de todos, à medida que passávamos pelo meio das pessoas, elas nos parabenizavam pelo namoro. Éramos, literalmente, o centro das atenções. Fer me abraçava pela cintura e repetia as palavras “minha namorada” e “minha mulher” com certo orgulho, o que me fazia sentir a mulher mais feliz do mundo. Fernando logo se dirigiu junto a mim para uma roda de amigos mais próximos dele e eu fiquei lá olhando eles conversarem, e sempre que eu me sentia deslocada ele fazia questão de me inteirar do assunto. Um garçom chegou até nós, serviu champanhe, alguns canapés e logo se retirou. Logo foi a vez de Blanca nos dar as boas vindas, falou para ficarmos a vontade e depois foi falar com os outros convidados, eu não podia negar que ela era uma ótima anfitriã.

Fernando e seus amigos falavam de motos, e como eu não sabia nada sobre o assunto fui andar pela sala. Estava olhando a decoração minuciosamente, quando parei de frente para uma estante embutida na parede, nela tinha vários porta-retratos. Olhava as fotos de relance, quando uma, em especial, chamou a minha atenção. Era Fernando e Blanca abraçados e sorridentes. Essa foto não me caiu nada bem e fez uma pontada de ciúmes e raiva surgirem em mim. Eu ainda encarava a foto quando Fernando chegou segurando-me pela cintura.

- O que você está fazendo aqui, meu amor? - Fernando perguntou intrigado

- Nada. - Falei num tom ríspido. Ele percebeu.

- Gaby, aconteceu alguma coisa? - Perguntou ainda intrigado

- Não! Estou ótima! - Falei sarcasticamente. Mas ele seguiu meu olhar e viu que eu encarava a foto dele com Blanca.

- Ahhh - Ele suspirou - Você sabe que ela é minha amiga, certo? Então, você não está brava com isso.

- Eu não estou com raiva por isso! - Falei ainda com raiva. – Eu só não gosto de ver a intimidade que vocês têm um com o outro

- Essa foto foi tirada antes de nós estarmos juntos – Ele fez um gesto apontando para eu e ele - E, obviamente, não temos mais essa intimidade e se você quiser converso com ela e peço para ela tirar essa foto da estante.

- Não precisa! – Exclamei – Ademais, eu não estou assim por essa foto – Desconversei

- E por que você está assim? - Ele perguntou num tom calmo

- Não estou de bom humor, Fernando!

- Então, eu vou ficar te dando beijos até o seu humor melhorar! - Ele disse e começou a dar pequenos beijos na curva do meu pescoço.

Depois de vários beijos Fernando já tinha acalmado qualquer raiva que eu pudesse sentir.

- Para, Fer! As pessoas estão olhando, - Falei sorrindo e virando para encará-lo.

- Hmm… Acho que agora posso parar porque o sorriso que tanto amo voltou aos seus lábios. - Ele disse rindo e deu um beijo suave em minha boca.

- Você não existe, sabia? - Falei dando um abraço apertado nele – Te amo a tiempo! - Sussurrei no seu ouvido.

- Hmmm… Eu te amo também, meu amor! - Disse me abraçando também.

Parecíamos um casal adolescente, a toda hora demonstrando nosso amor. Ainda estávamos abraçados quando Blanca chegou para conversar conosco.

- Estão sendo bem servidos? - Perguntou sorrindo

- Sim! - Eu e Fer respondemos em uníssono e rimos pela ocorrência.

- Estão tão conectados que até pensam a mesma coisa e falam juntos. – Disse Blanca esboçando um leve sorriso sarcástico

Eu e Fer rimos, mas não comentamos nada sobre o que ela falou. Blanca falava sobre as obras de artes da sala, sobre as esculturas e sobre a peça, estava super empolgada, mas eu estava cansada demais para retribuir toda aquela simpatia. Eu olhei pra Fer meio que implorando para irmos embora porque eu estava esgotada. E acho que ele entendeu o olhar. Nossos olhares sempre se entendem, sempre falam o que nossas bocas não dizem.

- Estou feliz que vendemos todos os ingressos desse final de semana para a peça. - Fernando comentava com ela.

- Sim! Isso é incrível, é apenas o primeiro final de semana e já estamos bem, graças a Deus. - Dizia Blanca sorrindo.

- A peça é, realmente, muito boa! - Elogiei

- Obrigada, Gaby! Alegra-me que você tenha gostado. - Blanca respondeu.

- Blanca, tudo estava ótimo. Mas temos que ir embora. - Fernando disse num tom suave

- Ah, mas já? - Ela perguntou desapontada

- Já! Eu e Gaby estamos cansados, ela principalmente por ter viajado até aqui – Disse ele dando um beijo no topo da minha cabeça.

- Entendo! - Blanca dizia, mas não tinha uma cara de quem realmente tinha entendido o motivo. Achei até que ela ficou ofendida por irmos embora mais cedo que o esperado, mas eu realmente estava cansada. Por fim, eu e Fernando nos despedimos dela, e dos outros conhecidos, e fomos embora.

Eu não sei em que momento cochilei em seu carro enquanto voltávamos para sua casa, mas acordei em seus braços com Fer subindo as escadas que davam para o quarto.

- Amor, não precisava me carregar, poderia ter me acordado – Disse aninhando meu rosto em seu pescoço, o que me fez sentir o seu cheiro, esse cheiro que me trazia tantas recordações.

- Você fica tão linda quando dorme que eu seria incapaz de te acordar

- Você vai acabar me deixar mal acostumada, sabia? – Sussurrei

- Eu gosto de mimar a minha menina – Respondeu enquanto me colocava na cama

- Eu estou tão cansada, parece que não durmo há séculos, preciso de um banho e cama – Disse me jogando na cama.

Fer fazia massagem nos meus pés, a melhor massagem que eu já recebi em toda a minha vida.

- Ai amor, eu casaria com você só pela massagem maravilhosa que você faz!

- Ah é? Só por isso? Bom saber – Ele respondeu fingindo indignação

- Seu bobo – Disse indo até a ele e sentando-me em seu colo. Eu dava leves beijos em seu pescoço, o que fazia Fernando ficar todo arrepiado. Quando dei por mim já estávamos despidos e Fernando passeava com sua boca pelo meu corpo, me fazendo ter sensações incríveis. Diferente daquela tarde, fizemos um amor calmo e lento, não tendo pressa para nada, como se tivéssemos todo o tempo do mundo. Depois que chegamos ao ápice, encostei minha cabeça no seu peito enquanto ele beijava minhas mãos.

- Eu acho que alguém estava cansada – Brincou ele

- Foi você que começou com essa sua massagem cheia de segundas intenções

- Eu né, senhorita Gabriela Spanic?

- Está me acusando, senhor Colunga?

- Eu? Seria incapaz disso

Entre brincadeiras e beijos tomamos banho, colocamos uma roupa confortável e deitamos na cama para eleger algum filme interessante que estivesse passando na TV.

- Você se lembra de quem mora aqui em frente, não é? – Perguntou

Demorei um pouco para raciocinar, até que me lembrei que Fer havia comentado que seus pais moravam em Miami e que ele havia comprado uma mansão para eles em frente a sua, para que quando viesse para cá, ficasse mais próximo deles – Seus pais, correto? - Respondi

- Sim, eles mesmos – Continuou - E venho lhe informar que amanhã você tem um jantar para conhecer os seus futuros sogros.

- E como você só me avisa isso agora?!?!– Exclamei me sentando rapidamente na cama

- Oras, você acha mesmo que dona Margarita sabendo que você está aqui não iria querer conhecer a mulher com quem eu pretendo passar o resto da minha vida?

Ouvir aquelas palavras me deixava toda derretida, mas eu não conseguia esconder minha ansiedade e nervosismo por saber que amanhã eu iria conhecer a… Minha sogra? Ai meu Deus!!! Eu nunca ficava nervosa em conhecer as mães dos meus namorados, mas com Fernando é diferente. E se ela soube algo sobre minhas desavenças com a Ana? E se ela não gostar de mim? GabySpanic estava entrando em pânico? Simmm!!! Eu estava entrando em pânico. Tranquila, Gabriela! Tranquila, você precisa manter a calma.

Com todos os meus pensamentos eu fazia umas caras que acho que estava assustando Fernando, porque ele me olhava meio intrigado.

- Está tudo bem? – Perguntou ele, tentando esconder o sorriso ao me ver em pânico.

- É… Tudo, tudo sim, eu só preciso de um copo de leite. E para – disse batendo em seu braço – De dar esse sorriso por saber que estou nervosa por amanhã ir conhecer os seus pais.

- Ei! – Disse ele levantando as mãos - É só que é engraçado. Você sempre fica assim quando vai conhecer todas as suas sogras?

- Nossa, Fernando! Você falando assim parece até que eu tive umas mil sogras. E não, eu não fico assim quando vou conhecê-las. É porque é… Você! Que coisa, será que não entende que com você é diferente? – Disse me levantando da cama

- Eu sei que comigo é diferente, assim como você é diferente e única para mim – Ele respondeu indo até mim – Sabe o que é isso? Uma TPS – Fernando me abraçava pela cintura e dava beijos em minha testa

- TPS? – Perguntei confusa

- Tensão pré sogra – Respondeu ele dando gargalhadas

- Ai, como você é engraçado, Fernando. Poderia ser comediante, sabia? – Respondi ironicamente.

- Como eu amo o bom humor da minha namorada linda!

- Ei, eu sou uma pessoa bem humorada.

- Estou vendo

- Eu vou até a cozinha – Disse seguindo para o corredor

Fernando seguia logo atrás de mim ainda sorrindo pela sua piada no mínimo idiota. Aquela casa era tão grande que eu não sabia muito bem onde era o caminho para a cozinha, e não estava nem um pouco a fim de perguntar a ele.

- O caminho para as escadas é pra lá – Disse ele apontando para a direita

- Ai, por favor!!! Para que uma casa tão grande???

- Porque é pra cá que vamos nos mudar quando nos casarmos – Respondeu ele com uma naturalidade incrível.

- Ei, ei, ei!!! E por que temos que nos mudar para a sua casa e não para a minha? Que creio que a minha é bem grande para nós três – Disse cruzando os braços

- Nós nos mudaremos para onde você quiser meu amor, contanto que seja com você - Disse ele descruzando os meus braços e me puxando para a cozinha. Fernando tinha esse dom de apaziguar as discussões, diferente de mim que quando estou nervosa faço de tudo para arranjar um motivo para brigar. Acho que é por isso que combinamos tanto, por sermos tão diferentes.

Escrito por: Juliana Sampaio <3 (https://twitter.com/JuSaampaio) com o auxílio de outra autora.

reblog
hace 6 meses on 11 Marzo 2014 @ 7:08am 2 notas

Bastidores La Usurpadora (1998) & Soy Tu Dueña (2010). ♥

"Esas miradas que lo dicen todo…"

reblog
hace 6 meses on 10 Marzo 2014 @ 4:08pm 5 notas

"Sin pasiones hechas sólo de fuego… Con ternura salpicada de sol. Disfrutando casi como en un juego, me ofreciste sólo amor, así… Así de simple…"

reblog
hace 6 meses on 10 Marzo 2014 @ 10:27am 2 notas
de-primente
meninas vocês podem fazer ( header print do youtube ) da abertura de "ausurpadora" ? e.e

arquivo-spanic:

(c) @fcamospanic

Print entrada La Usurpadora ♥

» via  de-primente   (originally  arquivo-spanic
reblog
hace 6 meses on 8 Marzo 2014 @ 5:48pm 8 notas

Como dice Gaby Spanic, “los besos fueron de mentira…” jijijiji

Capítulo 04, La Usurpadora.

» via  soy-spanicolunga   (originally  soy-spanicolunga
reblog
hace 6 meses on 7 Marzo 2014 @ 6:15pm 4 notas

Carlos Daniel, te amo…

» via  soy-spanicolunga   (originally  soy-spanicolunga
reblog
hace 6 meses on 7 Marzo 2014 @ 6:13pm 10 notas

Um amor pra vida toda 

Capitulo 5

…Em um primeiro momento eu não reagi a aquele abraço, porém eu conseguia sentir meu coração pulsando, e como até ali eu fui movida apenas por ele, o dei ouvidos, e minhas mãos ganharam vida e automaticamente entrelaçaram-se envolta de Fernando trazendo-me uma paz que a muito não sentia… Juntos novamente conectados de corpo e alma naquele abraço que significava muito mais do que qualquer palavra dita…

***

Gabriela…

Voltar a ficar em seus braços despertou em cada fibra do meu corpo uma vontade de nunca mais sair de perto dele…

O cheiro que emanava de Fernando adentrou em minhas vias respiratórias… Suas mãos sob meu corpo deixaram a minha pele formigando. Cada reação que eu sentia quando estava próxima a ele me faziam voltar anos atrás… Todas as mesmas sensações voltaram a mexer com o meu emocional como se nunca tivéssemos nos separado. Não entendo como um simples abraço conseguia despertar em mim sentimentos que eu acreditava ter enterrado.
.. Os minutos se passavam e apesar de sentir que tinha reencontrado minha morada em seus braços, não poderia mais aguentar aquela proximidade sem me render completamente a aquele sentimento que ambos compartilhávamos. Minha razão começou a se fazer presente naquele momento… Não!… Eu não poderia agir impulsivamente, os motivos da nossa separação ainda eram muito fortes em minha consciência… Agindo racionalmente, tentei separar-me dele, mas a minha tentativa foi em vão… Sua máscula mão não havia deixado minha cintura e seus olhos miravam os meus como se os estivesse reconhecendo.

- Não sabe como estou feliz em te ver. - Fernando me disse ainda abraçado a mim, eu sentia seu coração bater contra meu peito e sabia que ele sentia o meu também.

- Fernando… - sussurrei aquele nome, aquele nome que despertava os meus melhores sentimentos quando o ouvia… Respirei profundamente e me embriaguei novamente com seu cheiro.

- Temos tanto que conversar. - ele disse me olhando profundamente, seus olhos estavam úmidos e brilhavam.

Eu tinha plena consciência em como poderia terminar essa conversa, isso me dava um medo!… Mais mesmo assim com todos os problemas que existiram no passado não conseguia negar para mim que sua proximidade fazia meu corpo temblar… Temia que os meus instintos de tê-lo dominassem o grito da minha mente… Na verdade já não sabia mais o que fazer, minha cabeça estava divida… Ou eu dava meia volta e saia do alcance dos seus olhos e continuava com a minha vida. Ou permanecer ali, sob o perigo do seu cheiro entorpecente e dava uma chance para que pelo menos o que deveria ter sido dito anos atrás finalmente fosse confabulado.

- Sim Fer… - disse sem desviar meu olhar - temos muito o que conversar.

Aquelas palavras simplesmente voaram de minha boca como se fossem emitidas pelo meu coração. Ao ouvir que havia concordado com aquela conversa e ainda o ter chamado por aquele apelido carinhoso, temi. Tinha plena consciência que a razão estava perdendo espaço para o que eu sentia por ele, pelo meu Fer.

- Vamos Gaby, vamos entrar, creio que deve estar bastante cansada, e provavelmente com fome também.

 - Bem… eu… eu gostaria de tomar um banho. - disse um pouco sem jeito, eu realmente estava muito cansada, havia gravado o dia todo, e mal tinha me alimentado, principalmente depois da ligação e do bilhete de Fernando.

- Vamos entrar então. - ele sorriu, aquele sorriso que fazia meu mundo desabar.

- Vamos. - disse abrindo a porta do carro para pegar minhas malas.

- Deixe que eu leve suas coisas Gaby. - ele me impediu retirando tudo de minha mão.

- Obrigada. - respondi ainda um pouco sem jeito.

Fernando e eu entramos no imenso casarão, tudo ali era impecavelmente organizado, e muito sofisticado… Quem o decorou deveria ter um excelente gosto… Ele me guiou ate o andar de cima onde abriu a porta de um quarto extremamente grande.

- Pode ficar aqui. - ele disse ainda com o mesmo sorriso enquanto deixava minhas coisas sobre a cama - Se quiser pode dormir um pouco também, eu vou preparar alguma coisa para você comer, você parece estar muito cansada.

- Obrigada Fer… - agradeci mais uma vez - mas estamos sozinhos aqui?

Acredito que ele notou o meu olhar temeroso nesse momento. Não tinha medo dele em si, sabia que o Fernando era um perfeito cavalheiro e que sempre me respeitaria. Mas temia que não fosse capaz de controlar a mim mesma, de controlar todos aqueles meus sentimentos, que apenas em ouvir seu nome, ou o som da sua voz fazia minha pele arrepiar-se…  

- Sim Gabriela. - ele sorriu - Mas não se preocupe, não vou fazer nada. 

Ele estava saindo do quarto quando o chamei.

 - Fer? - E mais uma vez as palavras saem de minha boca sem meu consentimento.

- Sim? - ele se virou rapidamente com um pequeno sorriso no rosto. 
- Eu também estou muito feliz em te ver. - disse com sinceridade.

Ele apenas intensificou o sorriso e me olhou durante alguns segundos antes de sair e me deixar sozinha naquele quarto. Observei a porta se fechando lentamente e sua imagem sumir com o movimento, depois de ter certeza que ele não estava mais no cômodo consegui soltar a respiração que eu não sabia que estava segurando. “Depois de tantos anos você ainda continua provocando tudo isso em mim Fernando! Por quê? Porque eu não fui capaz de te esquecer?

Fernando…

Ainda não acredito que ela veio… Jamais pensei que novamente voltaria a sentir esses sentimentos que me roubam a razão…

Minha Gabriela… Sim! Ela estava ali, na mesma casa que eu… Ela veio, e também sabe a importância que essa conversa tem para nossas vidas.

Meu Deus eu tenho que tentar me manter sano, e não botar tudo a perder… Não vai ser fácil, afinal a minha vontade é de subir novamente naquele quarto em que ela esta provavelmente tomando banho e me juntar a ela…

Estou no céu por ter a oportunidade de tê-la mais uma vez aqui sob o meu domínio… Dessa vez eu juro, eu não vou deixa-la escapar… Dessa vez a farei ser minha para sempre…

Gabriela…

Entrei no banho e deixei que a água percorresse meu corpo enquanto minha mente lutava para encontrar o caminho certo. Ainda sentia o cheiro de Fernando, sentia seu abraço, meu coração saltava em meu peito como se quisesse sair a sua procura.

- Meu Deus, será que fiz certo em vir? - me perguntava com medo, medo de aquilo tudo não passar de um sonho, medo de acabar ainda mais machucada, medo de perde-lo pra sempre….  Eu estava em uma batalha, a razão contra o coração, por um momento decidi que voltaria para a cidade e tentaria esquecer que tudo aquilo havia acontecido, mas ao me lembrar de Fernando, de seus olhos, de seu sorriso, seu cheiro, eu percebi que valeria a pena tentar, tudo o que eu mais queria era poder estar nos seus braços, estar junto a ele.

- Sim, eu fiz certo em vir. - disse com um sorriso brotando em meu rosto - E juro que dessa vez farei de tudo para não perde-lo, vamos conversar e nos acertar.

 Sai do banho decidida a dar uma nova chance a nós, a verdade é que eu não conseguia viver sem Fer, meu coração, minha alma, meu corpo clamavam por ele. Abri minha mala, escolhi um vestido preto, era simples, um pouco acima do joelho. Apenas o vesti e desci as escadas, descalça e com os cabelos molhados, eu ansiava em vê-lo. Segui devagar até o som que vinha provavelmente da cozinha, o cheiro era maravilhoso e Fer parecia cortar alguma coisa, quando cheguei até a porta da cozinha o vi de costas a mim colocando alguma coisa no liquidificador, não tive tempo de avisa-lo para colocar a tampa, e quando ele ligou o aparelho tudo o que estava dentro dele voou em Fernando, deixando seu rosto e sua camisa completamente coberto de molho de tomate.

- Fer… - disse segurando o riso, mas quando ele se virou não consegui me conter e meu riso ecoou pela cozinha enquanto ele me olhava.

 - Qual é a graça Gaby? - perguntou um pouco sério.

 - Ora Fer, você. - disse ainda sorrindo parada na porta, ele me olhou por alguns segundos e acabou sorrindo também.

 - Estou todo coberto de molho, - disse olhando para sua camisa e começando a desabotoa-la…

 Meus olhos fixaram em suas mãos admirando seu corpo que ficava a mostra

- Ai droga, acho que tem molho até em meu olho.

- Deixa te ajudar. - disse me aproximando e pegando um pano sobre a mesa.

Me aproximei e comecei a limpar seu rosto, admirando cada parte de sua face, meus olhos se chocaram com os seus e me vi refletida neles, desviei o olhar e segui limpando sua face, minha respiração acelerou quando passei o pano no canto de sua boca, meus olhos se fixaram nela, e acabei me  esquecendo completamente do que estava fazendo…

 Fernando me puxou pela cintura colando nossos corpos, senti uma onda de corrente elétrica percorrer cada terminação nervosa de meu corpo, por um momento pensei que meu coração explodiria dentro de mim tamanha a força e velocidade que batia, enquanto uma de suas mãos segurava firme minha cintura a outra roçou meu pescoço, deslizando ate meu ombro. Meu coração bateu ainda mais forte. Sua mão continuou, como eu sabia que continuaria, descendo pelo meu braço ate meu pulso e fazendo o caminho de volta, deixando atrás dela uma trilha de fogo. Seu rosto se aproximou lentamente, engoli seco antes de fechar os olhos, sua mão seguia reconhecendo minha pele, queimando-a, enquanto seus lábios sentiam o gosto de cada centímetro do meu rosto, roçando vez e outra a boca na minha, deixando-me completamente sem chão. Minhas mãos subiram ate sua nuca e se emaranharam em seus cabelos, o puxando para mim, minha boca se abriu e ele a cobriu com a sua, sua língua se contorcia com a minha, em um ritmo desenfreado….  Me separei de sua boca, eu precisava respirar, e ele seguiu com os lábios para meu pescoço, subindo para minha orelha e a apertando contra sua boca…

- Gabriela, eu te amo, - sua voz soou alta em meus ouvidos, fazendo com que eu estremecesse completamente - minha Gaby.

Seus lábios atacaram os meus novamente, e sua mão que segurava em minha cintura me ergueu fazendo-me entrelaçar as pernas a sua volta, ele se virou me colocando sobre a bancada de mármore da pia, ele ficou entre minhas pernas e suas mãos deslizaram por meu corpo, me colando ainda mais a ele. Não havia uma parte de meu corpo que não estivesse colado a ele, suas mãos queimavam em minhas costas, e as minhas deslizavam pelo seu peito. Nossos lábios se afastaram, eu estava ofegante, e abri os olhos quando senti ele deslizar as pontas dos dedos por minha face.

- Eu te amo Gabriela… Eu te amo! - ele disse assim que meus olhos se chocaram com os seus.

- Também te amo Fer, - respondi com sinceridade - te amo.

Minhas mãos seguraram cada lado de seu rosto, e aproximei meu rosto do seu, iniciando mais um beijo carregado de amor e saudade…

Escrito por:

Andrea Monteiro (https://twitter.com/MissBracho_)

Dayane Cristina (https://twitter.com/DayCristinaa

Karina Célia (https://twitter.com/KarinaCelia)

reblog
hace 6 meses on 7 Marzo 2014 @ 6:11pm 3 notas
« page 8 of 64 »