© theme. +

Capítulo 8

“Sim meu Fer, contigo ao meu lado eu me atrevo a tudo. Não importa o que aconteça no futuro, a teu lado sei que está o meu destino, a teu lado sei que esta a minha morada. Só te peço para irmos com calma, por enquanto vamos apenas recordar o passado e irmos aos poucos pensando em um futuro nosso. Um passo de cada vez.

“Claro meu amor, como você quiser.”

 Fernando embargado pela felicidade que estava sentindo, aproximou-se rapidamente e colando seu corpo ao meu me deu um beijo calmo e sutil, um beijo de amor. Depois de nos separarmos ele ainda segurando delicadamente meu rosto ficou olhando em meus olhos como se quisesse gravar minha mirada em sua memória.

“Meu amor, por mais que eu queira ficar aqui para sempre, eu acho melhor eu ir embora.”

Disse enquanto acariciava meu rosto.

“O que? Por quê?”

 “Porque acredito que você vai ter que conversar com a sua irmã sobre o que ela quase viu acontecer.”

 Nesse momento Fernando olhou para a cama revirada, me fazendo lembrar assim a cena constrangedora que vivenciamos há poucos minutos. Sua voz estava repleta de humor enquanto que minha face era dominada pela vermelhidão da vergonha que eu estava sentindo. Pensava constantemente em como iria encarar a Paty depois daquela noite…

 Cortando meus pensamentos, Fernando chamou a minha atenção com o som de sua voz.



“Também tenho medo de não controlar-me com esse curto espaço entre a gente, e o modo como estamos confesso que não esta me ajudando em nada… E eu realmente quero fazer isso como você acabou de pedir, um passo de cada vez.”

 Sei que era difícil para ele ter tomado aquela decisão da mesma forma que para mim era complicado não o beijar naquele exato momento e depois entregar-me de corpo e alma para o homem que amava. Mas ele agindo daquela maneira somente me mostrou como realmente me amava e respeitava as minhas decisões. Minha felicidade aumentou ainda mais depois dessa prova de amor que ele acabara de me dar, não poderia correspondê-lo de outra forma…

 Com um sorriso no rosto eu me aproximei dele e depositei em seus lábios um selo de nosso amor. Nos separamos em seguida calmamente, e então fomos pegar nossas roupas que estavam em todas as partes do meu quarto. Ele estava certo, ficar próxima a ele e sentir o calor de sua pele estando apenas com mínimas peças de roupa no corpo era um ato perigoso e arriscado. Sendo assim nos vestimos e logo depois o acompanhei até a porta de casa.

Nossas mãos entrelaçadas em todo o trajeto tornava difícil o ato de dizer adeus. Não queria me separar nunca mais dele, nem sair de seus braços, mas avançar em nossa relação calmamente era o melhor caminho a ser seguido.

Quando chegamos frente a aquela porta de madeira nossos olhares se cruzavam, ambos estavam mergulhados no espelho da alma um do outro e naquele momento não precisávamos de mais nada.

 Fernando acariciava meu rosto, e após ter colocado uma mexa de cabelo atrás de minha orelha senti sua expressão mudar. Parecia que ele havia lembrado-se de algo e seguindo os movimentos de seus lábios previ que em seguida ele pronunciaria o que se passava em sua mente.

“Ah! Gaby meu amor, eu já estava esquecendo. Amanhã os meus amigos vão fazer uma festa em celebração ao meu aniversário, e eu adoraria que a mulher da minha vida me acompanhasse… O que você me diz?”

 “Você tem certeza Fer?”

 “Sim, certeza absoluta! Seria definitivamente o melhor aniversário de minha vida.”

“Tudo bem meu amor, amanhã eu vou com você até sua festa.”

 “Você me chamou de meu amor?”

 “É o que você é não?! O amor da minha vida…”

 “Você não sabe como é bom ouvir isso novamente. Te amo te amo te amo!”

Cada declaração de amor proferida por sua boca era localizada em intervalos de pequenos beijos. Sua felicidade era contagiante e eu não pude deixar de sorrir perante a sua alegria.

“E eu a ti.”

 “Bem eu já vou. Boa noite minha Gaby.”

Ele ficou esperando algo, parecia não saber o que fazer… Acho que ele não queria tomar nenhuma decisão exagerada nem tampouco sem afeto naquele momento…

Tomando o controle da situação eu lhe lancei um sorriso, direcionei meus olhos para os seus lábios e depositei os meus calmamente sobre os dele afastando-me somente após sentir aquele gosto que tanto amava e sabia que me pertencia.

 “Boa noite meu Fer…”

 Ele se foi… Eu fechei a porta e por um tempo que não sei precisar, fiquei encostada naquela superfície lembrando-me de tudo que havia acontecido naquele dia. Em uma noite minha vida toda mudou e sinto como se ela finalmente estivesse voltando para o caminho do qual nunca deveria ter saído.

Deixando minhas recordações guardadas por um tempo, tomada pelo cansaço eu sai daquela posição em que estava e caminhei rumo às escadas. Porém não completei o caminho até meu quarto, pois observei que a luz da cozinha estava acessa.

Estranhando o silencio fui até lá entender o que estava ocorrendo. E com quem eu menos queria encontrar naquele momento foi justamente a pessoa com quem eu dei de cara.

Paty estava virada para a pia e voltou-se para mim quando ouviu o barulho dos meus passos. Fiquei estática por um momento, ainda não havia me preparado para a olhar novamente depois do que aconteceu no meu quarto. O que eu poderia falar? Como me justificaria? Seu nome repetidamente foi tudo o que me saiu…

“Paty… Paty”

“Ola Gabriela, quer morango?”

Minha irmã esboçava um sorriso sarcástico em seu rosto, sabia que ela não iria tocar no assunto até o momento que eu o fizesse.

“Não, não quero obrigada. Ah… Paty.. você não quer conversar sobre… sobre…”

 “Sobre o que dona Gabriela Spanic, ou devo dizer Gabriela Elena Spanic Utrera de Colunga?”

Ela em fim se pronunciou sobre o fato, e no mesmo instante soltou a gargalhada que estava presa em sua garganta.

“Patrícia!”

 “O que foi mana?”

 “Por favor dá pra você não falar assim? Ou pelo menos falar mais baixo? Você vai acordar toda casa desse jeito!”

“Desculpe mas não tem como não rir perante a cena que eu presenciei.”

“Ai Paty, desculpa. Eu sei… Devíamos ter trancado a porta mas…”

“Para Gaby! Em vez de você ficar ai toda vermelha e se desculpando, por que você não me conta de uma vez o que aconteceu! Porque até ontem você estava firme nesse seu propósito de o esquecer, e acredito que o que eu vi era bem o oposto de ficar longe dele não é?!”

 “Ai mana nem sei por onde começar, até agora eu estou meio que sem entender tudo o que aconteceu.”

”Comece pelo começo! Gaby você finalmente deixou esse seu orgulho de lado e o perdoou?”

 “Você sabe que não é orgulho maninha, e toda aquela história ainda me dói muito, mas no momento em que o olhei ali parado na entrada de casa, me expressando todo seu amor através de seu olhar percebi que estar longe dele somente aumentava todo o meu sofrimento… Então, sim, eu resolvi dar uma chance para nós dois. Pois eu sei que minha vida só é completa quando tenho meu Fer junto a mim…”

Paty esperou eu terminar de falar e então gritou um  “FINALMENTE!” e depois correu para me abraçar.

“Fico muito feliz por ti Gaby e te desejo toda a felicidade do mundo, para vocês dois é claro! Você sabe o quanto desejo te ver bem mana… E sei que Fernando faz isso melhor do que ninguém!”

 “Muito obrigada minha irmã… Te Amo!”

“Eu também Te Amo!”

Nosso abraço foi interrompido pela chegada da minha mãe na cozinha questionando o motivo de tamanho alvoroço em plena madrugada.

“Posso saber que barulho é esse? Tinha que ser vocês duas mesmo, me admiro de Frank não estar na farra também!”

Minha mãe se referia as bagunças noturnas que fazíamos às vezes quando nos encontrávamos na cozinha…

 “Ai mãezinha não tem nada a ver com o que a senhora esta pensando…  Hoje não! E… Esse barulho tem nome e sobrenome.”

Paty falava aquilo pra nossa mãe da maneira mais travessa possível.

 “Patrícia!”

 “Não estou entendendo nada.”

 “Vou deixar que a Gaby te explique mãe, ela tem muita coisa para contar. Eu já vou indo dormir, já vi e ouvir muita coisa por hoje.”

Patrícia ria silenciosamente, pude ver em sua face que toda aquela cena que ainda me deixa vermelha a estava divertindo.

Fiquei olhando para minha mãe esperando que ela iniciasse aquela conversação, mas assim que ela abriu a boca para começar a falar, escutamos o choro de meu Gabo e isso nos fez seguir rapidamente em direção ao quarto do meu pequeno…

Gabo não costumava acordar chorando em meio a madrugada e por isso me senti muito apreensiva quando o peguei no colo e vi que seu choro não cessava…

“Papi o que você tem?”

“Mami estou com medo!”

“Medo?”

“Sim, muito medo!”

“Medo de que minha vida?”

“Escutei barulhos…”

“Ai meu amor era a mamãe e tia Paty lá na cozinha.”

“Serio mãezinha?”

“Sim!”

 Gabo desenterrou seu rostinho do meu pescoço, e então notou a presença de minha mãe logo atrás de nós. Seu choro sumiu e no mesmo instante pude perceber que ele já esboçava um sorriso de felicidade.

“Vovó!”

Minha mãe se aproximou da gente e nos abraçou… 

“Mamãe, Vovó vamos dormir juntinhos?”

Não resistimos ao pedido do nosso Gabo, seguimos para o quarto da mamãe e deitamos os três na cama. Meu pequeno estava em meio a nós duas, e cada uma de suas mãos entrelaçava uma das nossas, ele já dormia e eu nem percebi quando peguei no sono também…

Acordei com mamãe me chamando pois meu celular não parava de avisar que havia uma chamada perdida e também uma mensagem…

“Filha eu não sei se você tem algum compromisso hoje, já são 08:30 e seu celular estava tocando ainda pouco lá em seu quarto”

Levantei da cama deixando Gabo ainda dormindo, me direcionei para o meu quarto, minha mãe vinha logo atrás de mim eu sabia que não era apenas pelo celular que ela havia me feito ir até meu quarto, se fosse em outra ocasião ela tinha me levado o aparelho la em seu quarto mesmo…

Entramos e eu fui verificar o celular, assim que olhei para o visor vi que a chamada e a mensagem eram de Fernando, me virei para a minha mãe, ela ainda estava la esperando por algo, talvez uma explicação afinal minha cama estava toda revidada e meu sutiã jogado ao lado da carteira de Fernando que em algum momento deveria ter caído da calça dele…

Apertei o local do visor que indicava para ler a mensagem e a li.

Mensagem Recebida:

Bom Dia meu amor. Acho que esqueci minha carteira ai, mas não tem problema pego ela hoje a noite, nem acredito que você vai ir ao jantar do meu aniversário… Se puder me liga, queria escutar tua voz me dizendo Bom Dia. Beijos

Seu Fer…

Imediatamente olhei para minha mãe e com um sorriso nos lábios iniciei uma chamada para Fer…

“Alo, Gaby que bom que você me ligou!”

“Bom Dia Chamo, acabei de achar sua carteira aqui no meu quarto, na verdade acho que foi a minha mãe quem a achou primeiro…”


Sabia que ela sabia de quem se tratava, e por isso estava estática daquela maneira ainda… Enquanto falava com Fer fui até ela e pegando em sua mão com a minha livre a levei até a minha cama, fazendo com ela sentasse de frente para mim…

“Serio? E ela ainda quer me matar por ter te feito tudo o que fiz?”

“Não sei! Mas pela cara dela talvez ainda queira…”

“Ela esta ai com você?”

“Sim! Bem aqui na minha frente!… E por isso vou desligar por que preciso explicar as coisas pra ela antes que ela também queira me matar!… Até depois…”

“Te Amo minha Gaby”

“Eu também Chamo”

“Não sabes como senti falta de você me chamando assim…”

“E eu de te chamar assim… tchau”

“Tchau”

Desliguei o Celular e abracei minha mãe com muito carinho…

“O que aconteceu Gabriela?”

 “Ai mãe eu estou tão feliz!”

“Isso eu percebi… Fazia muito tempo que eu não te via assim!… Você tem alguma coisa pra me contar?”

 “Você sabe que tenho mãezinha, e sabe que eu iria te contar ontem mesmo se eu não tivesse adormecido…”

“Sei…”

“Mãe eu não consigo te esconder nada… Eu vou te contar mas por favor tenta entender ta bem?”

Ela fez uma aceno positivo com a cabeça e então eu prossegui.

 “O Fernando mãe… Ele me ligou depois que eu desejei feliz aniversário para ele via twitter! Da pra acreditar?! Ele nem usa essa rede social, mas ele viu, e ai me ligou, eu resisti, eu juro! Mas ai ele pegou e foi aquele docinho de sempre e eu me senti mal por ser o aniversário dele, ele me pediu um beijo e ai veio aqui em casa, a gente quase fez amor, mas a Paty entrou no quarto e ai pegou a gente seminus e ai agora eu vou jantar com ele!…”

Eu despejei todas aquelas informações em cima da minha mãe, que somente me olhava já sorrindo…

“Calma Gabriela! Calma!… Só podia ser coisa do Fernando mesmo pra você estar assim com esse brilho nos olhos…”

“Ai mãezinha! Diz que você vai me entender, diz que eu não estou fazendo nada de errado! Diz que hoje a noite vai cuidar do meu bebê pra eu poder ir jantar com o Fernando?…Diz que você não vai mais querer matar ele? Diz???”

“Gabriela você parece que ainda não entende que é impossível resistir a esse olhar de felicidade de um filho!… Claro que sempre vou te entender e apoiar em suas decisões, não quero matar o Fernando, apesar de saber como ele te feriu eu sinto que ele ainda é o melhor pra você… Gabriela triste é ter que te ver sem vida quando esta longe dele… Mas você tem que me explicar direitinho como ele te convenceu a dar outra chance pra ele e também essa história da Patrícia pegar vocês quase fazendo amor…”

“Conto sim… Mas você vai cuidar do Gabo pra mim hoje a noite?”

“Claro filha! Eu não sempre cuido?”

“Sim mãezinha…”

Deitei em seu colo e fiquei recebendo seus afagos em minha cabeça como sempre fazíamos…

 “Filha, só me promete que dessa vez você não vai voltar triste?…”

“Ai mãe, eu não prometo nada, mas eu juro que eu vou tentar voltar ainda mais feliz!”

Minha família era a minha base, mas minha mãe era meu tudo!… O que seria de Gabriela Elena Spanic Utrera sem dona Norma Utrera?…

Eu passei o dia todo com meu Gabo, e minha mãe, no fim da tarde dei um banho em meu bebê e depois fui me arrumar… Graças a Deus que eu tinha um vestido novinho que havia comprado há poucos dias, para ir a um evento que acabei não indo… Ele era deslumbrante, mas achei que aquela ocasião merecia… Tomei um banho de quase uma hora, e depois que sequei meus cabelos resolvi que eles iriam soltos… Me maquiei, passei aquele perfume que Fernando tanto amava, vesti uma linda lingerie até que comportada e depois meu vestido… Por algum tempo fiquei admirando-me na frente do espelho…

~ O que essa noite reserva pra você Gabriela?… Será que dessa Fernando realmente mudou com relação a Salinas? Será que você vai resistir e não se entregar a ele? …Deus eu o quero tanto, faz com ele fale tudo o que eu mais quero ouvir!…~

Sai daquela turbulência de pensamentos com o toque do meu celular… Era o Fernando avisando-me por mensagem que havia chegado…

Mensagem Recebida:

Já estou na frente da sua casa minha Gaby…

 Mensagem Enviada:

Dentro de alguns minutos desço… Promete que vai me fazer feliz essa noite?

Mensagem Recebida:

Não somente essa noite, mas resto de sua vida… Te Amo!

Continua a lembrança…

Escrito por:

Andrea Monteiro (https://twitter.com/MissBracho_)

Dayane Cristina (https://twitter.com/DayCristinaa

reblog
hace 6 meses on 8 Abril 2014 @ 6:58pm 1 nota

"Aquel nuestro beso, beso de amor… Amor que no se hace por ahí. Amor de alma, amor que calma el alma…"

reblog
hace 6 meses on 4 Abril 2014 @ 2:28pm 1 nota

Capítulo 34

- Pra quem disse que ia morrer de saudade de mim e me ligar a toda hora você está bem avulsa não é mesmo? – Perguntou desconfiado.

- Claro que não meu amor! É que eu chego tão cansada das gravações que nem me dou conta. Graças a Deus elas acabam semana que vem

- Você anda tão distante, mas não quero conversar sobre isso por telefone.

- Só estou chateada porque amanhã é dia de São Valentim, o nosso primeiro São Valentim, como namorados e não vamos estar juntos. – Desconversei

 - É, eu sei. Eu também fico triste com isso. Mas ainda haverá milhares de dias de São Valentim que vamos passar juntos.

- Sim, tenho certeza disso.

- Meu amor, eu liguei só para saber como você estava, preciso desligar, tenho que ir a um jantar de negócios. Nos falamos amanhã, ok? Boa noite!

- Boa noite, meu amor! Bom jantar!

Após falar com Fer eu estava um pouco mais calma. Tomei banho e tentei dormir. Demorei muito, mas consegui. Passei todo o dia seguinte gravando, mas sempre olhava o celular esperando a ligação do infeliz do Tomás, e nada. Isso estava me deixando louca. No final da tarde, quando já estávamos terminando de gravar. Um entregador chegou à locação que estávamos e me entregou uma linda caixa com uma fita vermelha. Dentro estava um colar maravilhoso e um bilhete que dizia:

“Feliz dia de São Valentim, minha menina! Que esse seja o primeiro de muitos. Mesmo que eu não possa estar presente com você hoje, lhe envio essa lembrança para você saber que estou com você nos meus pensamentos. Talvez seja você, a vida vai dizer. De qualquer forma obrigada por me fazer dormir sorrindo ao me lembrar do seu sorriso.Te amo!”.

Fernando é o homem mais incrível do mundo, ele saber conquistar uma mulher como nenhum outro. Fiquei encantada com o presente, liguei para agradecer, mas o celular dele estava desligado, quando chegasse a minha casa, iria tentar ligar para ele novamente. Hoje as gravações duraram até mais tarde e quando cheguei em casa Gabo já estava dormindo. Tentei ligar para Fernando mais uma vez e não consegui, tomei banho e fui para o meu quarto. E resolvi relaxar, apagar da minha memória o encontro que tive com Tomás, ele era um canalha! Na certeza estava mentindo achando eu lhe daria algum centavo.

 Eu já estava quase dormindo, quando comecei a ouvir as vozes de uns mariachis cantando, a música estava tão perto, parecia que era no portão da minha casa. Até que eu percebi que a voz era de… Fernando? Era a voz de Fernando cantando em frente a minha casa?

- Ai meu Deus! – Disse para mim mesma enquanto saia desembestada pelo corredor e descia as escadas quase voando, enquanto colocava meu robe. Quando acabei de descer as escadas do jardim e abri o portão, lá estava ele, cantando a canção “Solamente una vez” para mim, com um ramo de rosas brancas na mão.

“Solamente una vez, amé en la vida. Solamente una vez y nada más…”

Eu me senti tão emocionada, eu que pensava que não teria meu namorado no dia de São Valentim, e aqui estava ele e de quebra me dando essa serenata linda de presente. Quando a canção acabou eu não me contive, corri e pulei em seus braços sem nem me importar com os mariachis que nos observava.

- Diz que eu não estou sonhando! Diz que você está aqui mesmo! – Exclamava em animação, enquanto enchia todo o seu rosto de beijos.

 - O que eu posso dizer? Feliz dia de São Valentim meu amor – Ele dizia dando aquele sorriso. O sorriso mais lindo do mundo

De fundo escutamos toda a minha família aplaudir, exceto Gabo e minha sobrinha Fabiana que já dormiam. Fer cumprimentou minha família e logo em seguida eles entraram. Após acertar com os mariachis, entramos e subimos para o meu quarto.

 - Sabe que eu me sinto um adolescente entrando no seu quarto pela madrugada, enquanto todos dormem.

- Humm é mesmo? E eu acho que eu devo agradecer você por essa surpresa, você não acha? – Disse enquanto desabotoava sua camisa

- Eu não tenho duvidas disso – Ele pegava meu queixo e dava leves mordiscos, em meu lábio inferior.

Entre beijos despi Fernando, que me jogou na cama e deitou sobre mim. Enquanto ele tirava minha camisola ele deixava uma trilha de beijos por onde passava. Quando eu não vestia nada mais, um leve sorriso perverso surgiu em seus lábios enquanto ele me observava.

- Você está vendo alguma coisa que goste? – Disse a ele, ecoando um som de ironia.

- Tudo – Respondeu com a voz seca

 Seu olhar sobre mim, sua voz, tudo isso fez uma emoção excitante, correr por todo o meu corpo.

 - Mas então? Você vai ficar parado aí, só olhando – Perguntei fazendo biquinho.

– Eu só estava escolhendo por onde começar.

Fer pegou meu cabelo pelas mãos, deixando meu pescoço à mostra e começou seu rastro de beijos seguindo para as minhas bochechas, queixos e enfim meus lábios. Para provoca-lo eu pressiona o meu ventre sobe o seu sexo, que pulsava por dentro da sua cueca Box, enquanto passava minhas unhas por suas costas nuas. Ele por sua vez brincava com meus seios, dando leves mordiscadas, a sucção dos seus lábios o toque de sua língua, Fernando me deixava louca só com o seu toque. Abaixando um pouco mais ele foi se aproximando do meu sexo, sua respiração aquecia minhas coxas e eu abri minhas pernas para recebê-los, estava excitada demais para me sentir inibida. Ele soprou uma corrente de ar quente em todo o meu sexo e eu delirei com aquela carícia leve e ao mesmo tempo precisa. Meus quadris levantaram, pedindo mais e, então, ele olhou para mim dando aquele leve sorriso maroto que eu tanto gostava, e sua boca desceu sobre mim, se dedicando mais ainda ao meu sexo, essa dedicação intensa fez o orgasmo subir através de mim. Eu gemi. E pra ser honesta se não tivesse colocado a mão em minha boca, eu teria berrado, ao sentir tamanho prazer. Chegando ao êxtase, Fernando subia até a mim e me segurou entre seus braços enquanto eu estremecia.

Uma onda de felicidade surgia em mim. Fernando acariciava minhas costas nuas. Quando por fim, meu orgasmo cessou, era a hora de eu retribuir tamanho prazer. Eu montei sobre ele e comecei a beijar, mordiscar e lamber todo seu pescoço e orelha, eu já sabia todos os seus pontos de excitação, e a confirmação vinha com o seu sexo pulsando sobe meu ventre. Fazendo o mesmo rastro de beijos que Fernando fez em mim até chegar ao seu sexo, no qual eu tanto me deliciava. Senti a respiração de Fernando aflita o que dizia que ele já estava a ponto de chegar ao clímax, então eu apressei meus movimentos com a boca, quando Fernando levantou minha cabeça, me puxando para cima, fazendo eu me encaixar nele.

- Eu gosto de chegar lá com você – Disse ele

Ele se virou, me deixando embaixo dele e empurrou devagar e com cuidado sobre minhas pernas, começando um ritmo lento e duro. Nossos movimentos eram meramente sincronizados, como se fossemos um só. Ele continuou com suas penetrações, cinco? Sete? Quinze? Eu não sei, eu só podia sentir prazer, nossos olhares diziam que o clímax estava se aproximando e então como tantas vezes chegamos ao ápice juntos, na mesma sintonia.

- Eu nunca pensei que pudesse ter isso – Disse ele

- Sexo? – Respondi

- Não bobinha. Amor, sexo e toda essa magia que temos juntos.

- Fico feliz de você ter descoberto isso comigo – Sorri - É bom quando estamos juntos

Ele franziu um pouco a testa e disse

- Você está dizendo que é bom por que… Já teve melhor?

Levantei a cabeça para olha-lo

- Bobinho, aqui a insegura sou eu. E não eu nunca tive nada parecido com isso.

 - Ah, tudo bem então.

Ergui minhas sobrancelhas

- Isso é tudo que você tem a dizer? “Tudo bem, então”? – Disse imitando sua voz Fer sorriu e disse

- Quero dizer que é a mesma coisa comigo. Isso que nós temos é a melhor coisa que já tive. Estamos tão em sintonia, é como… - ele balançou a cabeça - É que… Faltam-me palavras, para expressar tudo isso que tenho aqui dentro – Ele colocou minha mão sobre a sua em seu peito.

- Meu garotão

- Ahh, minha menina. E foi dizendo essas palavras que nos aconchegamos e pegamos no sono.

Escrito por: Juliana Sampaio (https://twitter.com/JuSaampaio) e Letícia Dias (https://twitter.com/srslymeredith) <3

reblog
hace 6 meses on 4 Abril 2014 @ 2:17pm 1 nota
Anónimo
Quais são as fanfics em português q estão atualizadas ?

Olá!

Por enquanto, no tumblr, só estamos postando duas histórias em português. “Um Amor Pra Vida Toda”, das autoras Dayane Cristina e Andrea Monteiro, e “De Repente é Amor”, das autoras Juliana Sampaio e Letícia Dias. Ambas histórias estão atualizadas.

"Um Amor Pra Toda Vida" é postada toda sexta-feira, quando as autoras me mandam capítulos novos.

"De Repente É Amor" é postada toda terça e quinta-feira, também no mesmo esquema, se as autoras me mandam capítulos novos.

Fique pendente dos dias que as histórias são postadas, sempre as atualizo quando recebo material!

Obrigada por ler! :)

#EquipeSC.

reblog
hace 6 meses on 2 Abril 2014 @ 3:01pm 1 nota

Capítulo 33

Fernando olhou para mim surpreso, afinal ele não esperava aquela pergunta e eu abaixei a cabeça com medo de ouvir sua resposta.

- Gabriela, olha para mim! – Fer disse levantando da cama. Eu levantei a cabeça, mas não conseguia olhá-lo.

 - Olha nos meus olhos e me fala, você acha que eu a teria beijado? – Ele disse e pegou meu rosto com delicadeza para que eu pudesse olhar em seus olhos

 -Fer, realmente eu não sei! Acho que não! Quero acreditar que não! Mas vocês já tiveram algo… Eu sei que não deveria ser insegura assim, eu confio em você – Ressaltei - mas eu tenho medo de te perder.

- Meu amor, eu jamais beijaria a Blanca porque eu estou com você e eu jamais te desrespeitaria desta forma. Eu não beijaria mais ninguém porque, para mim, os seus beijos bastam. Você não precisa ficar insegura porque o amor que eu sinto por você é como o amanhecer, algo que eu tenho certeza. Nós temos certeza que daqui a pouco vai amanhecer não temos? – Ele perguntou, segurou minhas mãos e afagou-as.

- Sim, nós temos! – Assenti com a cabeça

- Então, sempre que você se sentir insegura ou em dúvida sobre mim ou o meu amor, lembre-se que o meu amor por você é como o amanhecer, uma certeza! Você acredita em mim? Acredita no meu amor? Acredita que não iria beijá-la e que eu jamais trairia você? Você acredita Gaby?

 - Sim, meu amor! Eu acredito! – Disse isso e o beijei com ternura. Como eu não poderia acreditar? Seus olhos expressavam pura sinceridade

 Fernando voltou para a cama e deitou-se ao meu lado. Nesta noite fizemos amor lenta e apaixonadamente até o amanhecer. Foi uma despedida, pois eu tinha que voltar ao México para gravar meu programa e Fer iria ficar em Miami por causa de sua peça.

Já passava das 14h00min quando Fer e eu chegamos ao aeroporto. Fiz meu check-in e Fer ficou comigo, até que anunciaram meu embarque.

- Meu amor, eu vou sentir muito a sua falta! – Fer disse, dando-me um beijo suave na testa e um abraço apertado.

- Eu também irei sentir a sua falta! Irei te ligar toda hora. Juízo mocinho – Disse brincando, beijei-o nos lábios e o abracei. Infelizmente fizeram a última chamada e eu tinha que ir embora, mas minha vontade era de ficar ali abraçada com ele.

- Eu te amo!

- Eu também te amo, minha menina! Quando você chegar ao México, me ligue!

 Assenti com a cabeça e tive que entrar no portão de embarque. Dormi durante toda a viagem, quando cheguei a minha casa avisei a Fer que já tinha chegado e fui brincar com Gabo. Eu estava com tanta saudade do meu bebê. Brincamos, jantamos juntos, depois dei banho nele, assistimos a um filme e ele dormiu. Eu estava super cansada, tomei banho, liguei para dar boa noite a Fernando e dormi como uma pedra. Na manhã seguinte acordei bem cedo, pois tinha coisas do programa para gravar no D.F, gravamos durante todo o dia. Cheguei em casa e só queria ficar um pouco com meu filho, falar com Fer, tomar banho e dormir. Quando terminei de tomar banho, meu celular tocou, eu pensei que fosse Fernando, mas ao olhar, eu não reconhecia o número, mas mesmo assim resolvi atender.

 - Alô?

 - Olá, Gaby! Lembra-se de mim? – Um homem perguntava num tom sarcástico

- Não… – Respondi desconfiada - Quem é você? Como conseguiu meu número? - Perguntei confusa

- Eu sou um velho amigo seu!

- Fala quem é ou eu vou desligar, estou cansada demais para brincar de adivinho.

- Uhh, não se estresse, meu amor! Quando você estava comigo não era tão estressada assim. – Disse ironicamente

 - Você vai falar quem é ou eu já posso desligar?  - Essa conversa já estava me deixando aflita e seja quem fosse conseguiu me irritar

- Estou um pouco ofendido que você não se lembre de mim, mas vou matar sua curiosidade. Sou eu, Tomás.

Ao ouvir aquele nome, meu corpo todo se estremeceu, e eu pude sentir meu estomago embrulhar.

- QUEM????? Como você ousa me ligar depois de tudo que você me fez? O que você quer comigo? – Dizia alterada, eu não poderia acreditar que depois de todo mal que esse homem me fez ele ainda teria coragem de voltar a me procurar.

- Não precisa gritar meu doce. Eu estava com saudades de você, por isso liguei. – Ele falava rindo

- Saudade? Vai à merda seu imbecil, eu vou desligar e não… – Antes que eu pudesse terminar a frase, ele interrompeu.

- É melhor você me tratar muito bem viu docinho. Se eu fosse você, não desligaria esse celular, Gaby. Tenho certeza que você vai preferir ouvir o que eu tenho a dizer.

- E o que é que você quer? Por que não me deixa em paz? Já não basta tudo que você já me fez? – Disse indignada e tentando esconder o meu medo. Eu estava com medo, com muito medo de saber o que ele queria comigo, mas não podia demonstrar esse sentimento.

- Então vamos direto ao ponto, afinal é disso que você gosta não é mesmo? Quero encontrar com você amanhã de manhã e, acredite, você não vai querer faltar esse encontro.

Ele quer se encontrar comigo? O que ele quer, eu fiquei sem reação, por mais que quisesse tirar forças pra responder eu não conseguia. Toda essa história me fazia um mal. Aquele vídeo, esse homem que me dá asco, são coisas que eu gostaria de apagar pra sempre da minha memória.

- Eu vou levar o seu silêncio como um consentimento

As palavras dele me despertaram, e eu não tinha outra opção a não ser concordar.

 - Está bem! Diga-me onde e eu estarei lá amanhã de manhã. – Foi o que consegui dizer

- Naquela cafeteria próxima a Azteca às oito. E é bom mesmo que você esteja lá, docinho! Adeus! – Disse isso e desligou

Meu Deus, o que será que esse homem quer comigo? Depois de tudo que já me fez, eu pensei que nunca mais o veria, eu não sei se aguentaria enfrentá-lo sozinha, a minha repulsa por ele é tão grande.  Eu me mantive imóvel, simplesmente não conseguia parar de pensar sobre o que Tomás poderia querer comigo, estava cheia de dúvidas e medo, mas antes que esses sentimentos pudessem me consumir, Fernando me ligou e meu coração foi na boca por pensar que poderia ser Tomás novamente.

- Oi, meu amor! Como você está? – Fer perguntava animado

 - B… Bem! Com muitas saudades de você! E você, como está? – Perguntei com um fio de voz sem muito ânimo, estava muito preocupada com o que Tomás poderia fazer. Mas eu não queria preocupar Fernando com isso.

- Eu também estou morrendo de saudades, meu amor. Estou bem. - Fernando começou a falar sobre os ensaios da peça e várias outras coisas, mas eu não conseguia prestar atenção em nada. - Gaby, você ainda está aí? – Fer perguntou

 - Sim, amor!

- O que aconteceu? Você está bem?

 - Sim!

 - Tem certeza? Seu tom de voz não me engana – Fer perguntou intrigado

 - Tenho, sim. Estou apenas um pouco cansada. Isso é tudo.

 - Bem tem algo preocupando você, mas se você não quer falar eu te respeito.

- Fer eu tenho que dormir

- Então vou desligar e deixar você dormir, está bem?

 - Ok! Boa noite, meu amor!

- Boa noite, minha menina! Descanse e o que quer que esteja te preocupado você consiga resolver e saiba que estarei aqui para qualquer coisa!

Desliguei o celular e tentei dormir, mas não consegui, fiquei me revirando na cama por horas e horas, me fazendo a mesma pergunta durante toda a noite “O que Tomás quer comigo?”.

Eu não consegui pregar o olho nem por um minuto se quer essa noite, assim que estava claro fui-me arrumar para encontrar Tomás. Quando cheguei à cafeteria o vi sentado numa mesa e fui até ele. Desliguei o celular, pois não queria correr o risco de alguém me ligar enquanto eu estivesse com ele.

- Então, vá direto ao assunto porque não tenho muito tempo para desperdiçar com você.

– Disse asperamente enquanto me sentava

- Bom dia para você também, meu doce! Dormiu bem? – Disse sorrindo e pegando na minha mão 

- Pare de me chamar de meu doce se não eu sou capaz de vomitar na sua cara – Disse tirando rapidamente minha mão da dele

- Gabriela, tão bela quando difícil de lidar, você não é fácil viu? Como conseguiu conquistar Fernando Colunga?

- Não ouse a mencionar novamente o nome de Fernando, você está me ouvindo?

- Acho que você não esta em condições de exigir nada docinho

- Estou falando sério, Tomás. Fala logo o que você quer.

- Antes, vamos tomar um café, meu amor. Em nome dos velhos tempos – Disse em tom calmou alisando meu rosto, o toque dele me dava nojo e me fazia sentir nojo de mim mesma. 

- Nunca mais encoste essa sua mão nojenta em mim! – Disse tirando a mão dele do meu rosto - E peça logo essa porcaria de café e fale o que tem que falar.

O Garçom trouxe duas xícaras de café e Tomás finalmente começou a falar.

 - É simples, Gabriela. Eu apenas quero dinheiro para não mostrar outro videozinho nosso ao seu namoradinho.

 - O que? Que vídeo? – Perguntei confusa- Você não tem vídeo nenhum nosso. O que tinha você já colocou na mídia e ganhou bastante dinheiro, não foi suficiente?

- Gaby, Gaby… Se eu fosse você não pensaria assim. E não, não foi suficiente.

- Você está blefando

- Se eu fosse você eu não pagaria pra ver. Pra ser mais exato eu pagaria sim, mas pra não ver. Imagina o seu namoradinho vendo você gemer em meus braços, dando muito mais prazer do que esse otário lhe dá.

- Cala essa sua boca, você é repugnante! – Exclamei elevando o nível de voz e percebi que algumas pessoas pararam pra nos olhar

- Shiii, você não quer armar um escândalo aqui não é mesmo? – Continuou – Olha, vou te dar um prazo e se até esse prazo você não me der 50 mil dólares, o vídeo vai parar na mão do seu namoradinho.

- Eu quero ver esse vídeo! – Disse a ele em tom de autoridade

- Você vai ver docinho, você vai ver. Mas só depois que o dinheiro estiver em minhas mãos. – Disse levantando-se – Ah, eu entro em contato com você para falar quando você deve me dar o dinheiro e nem pense em não atender meu telefonema ou contar isso para a polícia ou alguém, ou já sabe, né?

Tomás foi embora e eu fiquei lá olhando pro nada, pensando no que eu deveria fazer. Eu não posso deixar que ele me separe de Fernando, mas também não posso me deixar ser chantageada dessa maneira, levando em consideração que ele pode estar blefando. Tenho que pensar em algo. Mas não tenho muito tempo para pensar.

 Fui para o trabalho, mas não conseguia me concentrar em nada. Minha cabeça doía e eu estava preocupada demais. Tive que regravar milhares de coisas e isso nunca acontecia comigo porque eu sempre era muito atenciosa.

Passei todo o dia com a cabeça nas nuvens e só quando cheguei em casa de noite, pude “esquecer” todo esse assunto um pouquinho, pois estava com meu filho. Depois de jantar e dar banho em Gabo, coloquei ele para dormir e fui para o meu quarto. Meu celular começou a tocar e eu fiquei desesperada pensando que era Tomás, mas para o meu alívio, era Fernando.

 - Oi, minha menina! Como você está?

- Cansada, mas agora estou bem, pois estou falando com você. E você, como está?

- Cansado também, mas feliz por falar com você. Onde você esteve pela manhã? Eu te liguei por volta das oito horas e seu celular estava desligado, depois liguei para sua casa e sua mãe disse que você saiu bem cedo.

- Er… Meu celular desligado? – Perguntei - Não Fer, ele esteve ligado durante toda a manhã, eu só deveria estar sem área – Eu odiava ter que mentir para Fernando, na verdade nunca menti para ele, mas eu não podia o preocupar com os meus problemas e eu tinha medo, medo que Fernando ficasse com medo desse suposto vídeo vir parar na mídia novamente e prejudicar sua carreira, já que agora todos sabiam que estávamos juntos.

- Hum, deve ser isso então. Você está bem mesmo? Desde ontem que estou achando você desatenta.

- Estou bem, sim. Não se preocupe, é só cansaço e saudade de você.

E assim passaram as semanas seguintes. Eu estava agoniada, assustada, com a sensação de que a qualquer momento Tomás me ligaria. Mas ao mesmo tempo a sensação de desesperado estava passando, ao me dar conta de que poderia sim ser só um blefe para arrancar dinheiro de mim, e que talvez ele tivesse desistido. Não só Fernando, mas todos estranhavam meu comportamento, eu sempre estava distante pensativa, não conseguia comer direito, não consegui me concentrar no trabalho. Para minha mãe dei a desculpa que era saudade de Fernando, que coitado, nem ligar para ele eu ligava. Durante essas semanas, foi ele que me ligou todas às vezes. Por mais que eu não quisesse, eu não poderia pensar em outra coisa a não ser nesse vídeo. Nem em Blanca e Fernando juntos durante essas semanas eu conseguia pensar.

Eu estava deitada quando meu celular tocou, e mais uma vez não era Tomás e sim Fer.

- Pra quem disse que ia morrer de saudade de mim e me ligar a toda hora você está bem avulsa não é mesmo? – Perguntou desconfiado.

Escrito por: Juliana Sampaio (https://twitter.com/JuSaampaio) e Letícia Dias (https://twitter.com/srslymeredith) <3

reblog
hace 6 meses on 1 Abril 2014 @ 10:52am 1 nota

"El tiempo que pasamos separados hará que nuestro amor se fortalezca. Pero eso me lastima, ya no puedo soportarlo: yo quiero envejecer contigo, quiero mirarte a los ojos para siempre, quiero compartir contigo tus conquistas, quiero estar contigo. Pensamientos pueden ir y venir, pero sí creo en nuestro amor, ese sentimiento nos quema por dentro. No hay dudas, no hay temores."

reblog
hace 6 meses on 30 Marzo 2014 @ 2:30pm 1 nota

"Os 7 casais mais queridos", Gaby Spanic y Fernando Colunga forman una de las parejas más queridas del público brasileño. Fue la única pareja de actores extranjeros que ganó la encuesta. Por eso soy una SpaniColunga brasileña orgullosa de mi parejita y de mi país jiji

reblog
hace 6 meses on 28 Marzo 2014 @ 2:11pm 2 notas

designspanic:

#Headers #SpaniColunga #SoyTuDueña

Créditos: @gabrielaelenafc

» via  utreraicons   (originally  utreraicons
reblog
hace 6 meses on 26 Marzo 2014 @ 12:58am 7 notas

Icons Spanicolunga

spanicons:

image

image

image

image

image

image

credits to @fcamospanic 

» via  spanicons   (originally  spanicons
reblog
hace 6 meses on 26 Marzo 2014 @ 12:56am 8 notas

Capitulo 7 

 

 

Depois de me questionar e chorar por um tempo mergulhada naquelas lembranças que tanto me traziam dor, lembranças maravilhosas começaram a passar por minha mente e então um sorriso bobo surgiu em meus lábios quando recordei aquele dia em que o perdoei…

Era três de março de 2012 quando a vida começou a sorrir para nós dois novamente…

 

***

Gabriela

 

Três de Março de 2013…

 

Eu estava tão inquieta pensando em como podia estar sendo o seu dia, e em como eu queria estar com ele que a todo instante me pegava pensativa sobre tudo o que ocasionou a nossa separação… Iria fazer um ano que nos separamos e no seu ultimo aniversário eu estava com ele, o que me fazia ficar ainda mais triste por saber que nesse ano tudo seria diferente…

Apesar do meu dia ter sido muito atarefado nem por um segundo deixei de pensar em Fer e também de recordar nossos momentos…

Ele sempre fazia com que eu me sentisse a vontade, falávamos sobre tudo, e eu confesso que sentia muita falta de ter ele o tempo todo me fazendo perguntas que as vezes me deixavam sem chão, e também de quando ele me arrancava as melhores risadas…

A gente compartilhava de tanto companheirismo que até hoje ainda fico meio sem entender o motivo que fez Fer acreditar na palavra de Salinas e desconfiar da minha. Sei que ele acida de tudo sempre foi meu amigo, mais fazer o que, não se pode mudar o que já se passou…

Quando cheguei em casa e percebi que Gabo já dormia eu fui para o meu quarto e depois de tomar um banho coloquei um baby doll e com meu notebook segui para a cama…

Depois de me enrolar um pouco decidi abrir minha conta do twitter e fiquei durante algum tempo apenas observando minhas fãs… Muitas delas me mandavam tweets me lembrando do aniversario dele, mas como eu poderia esquecer aquela data? Como?…

Apesar de tudo o que aconteceu conosco e pela forma com que nos separamos, Fernando continuava representando para mim alguém que sempre estaria em meu coração.

 Afinal de contas, não se pode esquecer o grande amor da sua vida, não é mesmo?!

Agindo impulsivamente deixei meus sentimentos dominarem meus atos e fiz algo que naquela hora não medi as consequências… Me peguei escrevendo e clicando naquele botão que expôs para o mundo o quanto ele significava para mim…

“Fernando c! feliz cumpleaños, que todo lo santo y divino te siga alcanzando chamo! ojalá Dios nos permita trabajar de nuevo! te amo a tiempo!”

No mesmo momento que enviei esse tweet o numero de notificações cresceu abruptamente.

Sim, eu havia mencionado o lado profissional, mas para tentar não ser tão evidente quanto aos meus sentimentos, porém meus dedos não obedeceram a minha razão…

 Ao reler aquela sentença me deparei com o fator que havia agitado completamente as minhas fãs, sem me dar conta um ‘te amo a tiempo’ acabou por ser incluído naquela felicitação… Sem falar do apelido carinhoso que eu o chamei…

Como explicar agora que aquele ‘te amo a tiempo’ se referia apenas a um gesto de amizade dado a tantos anos que trabalho juntos?

Não! Simplesmente não poderia mentir tão descaradamente, infelizmente, o Fernando significava mais para mim do que eu desejava. A mais de 10 anos me culpo por amá-lo do modo que amo. Quantas vezes eu já não quis tirar esse sentimento do meu peito a todo custo. Talvez tenha sido por isso que minha historia quando se trata de relacionamentos tenha sido tão conturbada, sempre busquei em outros algo que eu sabia que só o Fernando poderia me oferecer…

Por um lado fiquei um pouco receosa por ter me exposto demais, porém ao mesmo tempo estava tranquila por saber que ele não fazia uso daquela rede social, e assim não poderia ver meu gesto de fraqueza…

Erro meu! Depois de alguns minutos de publicado o ‘tweet spanicolunga’ como as minhas fãs o denominaram,meu celular tocou me tirando daquele transe de pensamentos…

 Peguei o aparelho sem nenhuma expectativa sobre quem poderia ser ou o que poderia querer. Porém, ao ver o numero do celular e o nome que o denotava senti meu coração saltar de meu peito. Em questão de segundos, pisquei várias vezes para tentar descobrir se realmente estava acontecendo, se realmente ele estaria me ligando. Minhas duvidas acabaram quando o sonido do celular voltou a perturbar minha mente, sim era verdade, sim era ele!

 Não poderia o ignorar, não naquele dia! E também não poderia deixar de ouvir o som da sua voz e ter a oportunidade de desejar feliz aniversario. Seria incapaz de fazer isso… Com a minha decisão tomada tentar controlar minhas mãos nervosas para atender ao telefone, porém o som da chamada foi ganhado pelo silencio…

 Minha estúpida briga interna havia demorado demais e ele ao certo havia desistido. Já decepcionada comigo mesma, eu segui até a cama e com o celular nas mãos me deitei. Não esperava que ele me ligasse novamente, afinal o aniversario era dele e quem deveria estar o procurando deveria ser eu. Mas meu orgulho não deixaria, infelizmente não deixaria…

 Olhando para a tela onde mostrava a chamada perdida, me assustei quando novamente a musica que eu tanto queria ouvir imperou no ambiente. Fernando não desistiria tão fácil e eu não jogaria novamente a oportunidade de ouvir o som da sua voz no lixo…

"Alô"

"Gabriela como é bom ouvir o som da tua voz" "Fernando… Eu … Eu… Eu quero te desejar feliz aniversario… Apesar de tudo, você sabe que só quero a tua felicidade"

“Muito obrigado minha vida! Sabes? Por um momento pensei que você tivesse esquecido.”

 “Não Fernando, jamais poderia me esquecer do seu aniversário, o problema é que hoje foi um dia muito atarefado e quase não tive tempo para parar em casa”.

 A resposta dada a ele foi do modo mais firme que pude pronunciar, por um momento temi que meu coração tracionasse a minha mente e revelasse meus reais pensamentos…

~ Como poderia esquecer essa data tão especial para você meu amor,se nem mesmo da minha mente posso te tirar?~

"Tudo bem Gaby, e te agradeço por ter se lembrado. Mas não sei se posso te perdoar por ter tweetado ao invés de me ligar"

Fernando dizia aquilo com sua voz em tom de humor, mas naquele momento meu sangue gelou e fiquei estática. Ele havia visto. Como eu não sei, mas ele já tinha tido conhecimento do que eu havia escrito.

 ”Fer eu…”

“Só há uma coisa a ser feita nesse momento para que eu te perdoe!”

O meu estado de nervos piorou ainda mais com aquela frase dele, não sabia o que esperar e muito menos imaginar o que ele pretendia.

“O.. que?”

Minha voz saiu falha de minha garganta, tenho plena consciência que ele havia percebido aquele deslize como também que ele era a causa de meu nervosismo.

”Acredito que o aniversariante mereça ganhar um beijo de parabéns da mulher que ama nem que seja nos últimos instantes do dia, você não concorda?”

Por um momento não acreditei no que estava ouvindo. Como ele podia ser assim? Agindo naturalmente, pronunciando aquela sentença quando todas as forças que mantinham as minhas estruturas já haviam desaparecido…

 As palavras eram inexistentes em minha boca, minha respiração estava acelerada e o compasso frenético do meu coração era apenas o que eu conseguia ouvir.

“Gaby… você ainda está ai?”

Sua fala me fez voltar a realidade, minha mente já havia planejado reunir todas as forças que ainda restavam em meu corpo e do modo mais gentil possível lhe negar o seu pedido, eu não poderia confiar nos meus instintos com sua presença, inspirando o seu perfume e muito menos o beijando. Eu o amava demais, porém meu orgulho ainda dominava todo o meu ser.

"Não Fer, depois de tudo o que aconteceu, não sei se seria uma boa ideia"

 ”Por favor Gaby, você vai ser capaz de negar um pedido ao aniversariante do dia?”

"Fer, eu sinto muito, mas não posso. Temos tantos assuntos pendentes e não posso me esquecer o quanto você me magoou"

"Eu sei que agi como um covarde, eu sei o quanto te magoei, mas você sabe o quanto me arrependo disso e eu já te disse."

 ”Disse! Mas não disse tudo, eu não posso cair de cabeça nisso e sair machucada como sempre” “Gaby…”

"Desculpa Fer, eu te amo, feliz aniversário"

 Não podia continuar mais com o rumo daquela ligação, novamente aquele assunto estava me fazendo sofrer e lágrimas já escorriam pelos meus olhos. Mas também não poderia ter feito o que fiz. Desligar o telefone na cara do Fernando justo no dia do seu aniversario não era justo da minha parte.

 Ai… Novamente a briga entre a minha mente e eu coração estava mexendo comigo. Como eu odiava quando isso acontecia! E por coincidência ou não, isso só acontecia quando o assunto se referia a ele…

Cansada daquela situação e também tomada pelo arrependimento eu respirei fundo e mandei a seguinte mensagem para o Fernando.

 Mensagem Envida.

Desculpa ter desligado na sua cara… Realmente não posso negar o pedido do aniversariante do dia…

Quase instantaneamente ele respondeu, o que demonstrava que assim como eu ele não havia conseguido largar o celular.

Mensagem Recebida.

Você está falando sério Gabriela? Não sabe o quanto feliz eu estou. Esse definitivamente vai ser o melhor presente que eu poderia ganhar. Dentro de 30 minutos estou chegando na porta da sua casa. Eu te amo, te amo, te amo.

Com todo o esforço do mundo, minha mente conseguiu convencer o restante do meu corpo a sair do transe em que estava e encarar aquela realidade, dentro de pouco tempo ele estaria aqui e eu não poderia continuar deitada na cama encarando o celular…

Rapidamente corri para o banheiro e consegui tirar aparência cansada que habitava em minha face, também peguei o frasco daquele perfume que ele tanto gostava e deixei-me abraçar por aquele aroma. Não sabia o que esperar do que estava prestes a acontecer, ou melhor, eu sabia sim, mas meu impulsos nervosos insistiam em me angustiar…

 Naquela hora da noite, a casa estava tomada pelo silencio e pela escuridão, todos dormiam enquanto eu caminhava com passos leves pelos corredores tomando todo o cuidado do mundo para não esbarrar e nada.

~ Cuidado Gabriela, não faça barulho, você pode acordar alguém. Não o que você esteja fazendo seja algo ilegal, afinal de contas é apenas uma visita inocente…~

 ~ Visita inocente a essa hora da noite Gabriela Elena? Tens certeza disso?~

~ Não, não tenho certeza mas…~

 ~ O que eu estou fazendo? Estou discutindo comigo mesma?!~

Depois de resolver cessar o dialogo irritante com a minha consciência, foquei meu objetivo em chegar até a sala que antecedia a porta de entrada. Lá com o celular em minhas mãos eu esperei longos minutos que pareceram para a minha ansiedade uma longa eternidade… Meu nervosismo aumentava a cada passo que eu dava e a cada minuto que se passava, as horas naquele momento pareciam regredir ou simplesmente estarem congeladas. Não podia mais esperar mais nenhum segundo para ouvir sua voz, olhar em sua mirada, inalar seu perfume…

~ Não Gabriela! Chega de pensar nele, chega, você só vai dar um beijo de aniversário nele e pronto, acabou, lembre-se de tudo que já aconteceu! Lembre-se do quando você já sofreu! Lembre-se de…~

A voz irritante da minha razão foi abafada pelo sonido do meu celular, Fernando havia acabado de mandar-me uma mensagem dizendo que estava em frente a porta da minha casa.

Mensagem Recebida.

Espero que não se incomode, ainda tinha guardadas comigo as chaves da sua casa… Estou aqui na porta de entrada já…

“Ele esta aqui, a poucos metros de mim, separados apenas por esta barreira de madeira”.

 Respirei profundamente tentando inutilmente controlar o meu desenfreado coração e caminhei até a grande porta da entrada da minha casa…

Antes de girar a maçaneta voltei a inspirar e expirar o ar de meus pulmões calmamente tomando as últimas fontes de coragem que o meu corpo necessitaria para aquele encontro. Finalmente me sentindo forte o suficiente para olhar em seus olhos novamente, eu abri rapidamente a porta e me deparei com a cena que me fez perder toda a sustentação que ainda havia em minhas pernas, como também todas as forças que eu havia tentado coletar antes de mergulhar em sua mirada.

 Fernando estava encostado em uma coluna próxima a porta de entrada com aquele olhar encantador que me levava ao céu, e em suas mãos ele tinha uma rosa vermelha…

“Fer…”

Apenas o nome dele poderia ser pronunciado por meus lábios naquele momento.

“Gaby…. meu amor…”

Fernando parecia sofrer do mesmo mal que eu… Saudades. Nos olhávamos como se nos reconhecêssemos a cada nova piscada, nossos olhos brilhavam e eu conseguia ouvir não apenas o meu coração, mas também o dele. Ambos estavam pulsando no mesmo ritmo, no dançar de nossos sentimentos, na melodia do nosso amor. Sem ter mais controle de meus atos e me permitindo guiar por meu coração, eu sem poder esperar mais nenhum segundo para o sentir, acabei por me atirar em seus braços…

Minhas mãos contornaram a curva de seu pescoço e suas mãos seguravam possessivamente minha cintura. Nossos corpos estavam unidos naquele abraço quase ao ponto de se fundirem, nossas peles eram percorridas por pequenas correntes de eletricidade a cada contato entre nós dois, e nossos corações nem preciso mencionar que palpitavam como se desejassem sair de nossos peitos para se unirem definitivamente…

 Não sei precisar o tempo que durou o nosso abraço, nenhum dos dois queria que ele acabasse, nossos corpos gritavam de saudades um pelo outro… Guiados pela atmosfera que estávamos vivendo, nos separamos apenas o suficiente para que nossos olhares se encontrassem…

~ Olhar em seus olhos, aquele era o meu fim!~

Olhando em seus olhos eu perdia qualquer noção de realidade ou razão, aquela mirada castanha invadia a minha mente e me transformava em um ser de amor, amor por ele.

 Dominada por seu olhar e seu perfume, meu único desejo era que aquele maldito espaço entre nossas bocas fosse extinto, necessitava poder usufruir mais uma vez do gosto de seus lábios…

Ele lendo meus pensamentos aproximou-se lentamente, meus olhos se fecharam para poder sentir completamente o que estava por vir e nossos narizes se tocaram. Nossas respirações ofegantes e misturadas só aumentavam ainda mais a minha vontade por seu beijo…

“Fer…”

“Minha Gaby…”

Sem esperar mais, ele finalmente acabou com aquele tortuoso espaço que nos separava… Fui levada a outro mundo, vi todas as estrelas e constelações possíveis ao sentir seus lábios sobre os meus… Um beijo calmo, gentil, amoroso, mas ao mesmo tempo selvagem, fugaz e apaixonado. Fernando era capaz de apenas com um beijo despertar em mim os mais duais sentimentos, o amor sublime e também o fogo da paixão…

 Por meses eu não sentia aquele sabor e muito menos flutuava em seus braços como naquele instante, portanto, quando finalmente nos beijamos a saudade acumulada por muito tempo explodiu em nossos peitos, nossas peles gritavam pelo contato uma com a outra, nossos corpos suplicavam por caricias e nossos corações só desejavam que aquele nosso amor fosse trocado da única forma possível que nos pudesse intensificar aquele momento de tal maneira que esse ficasse gravado em nossas almas…

Eu sabia que não podia, mais eu queria… Eu queria que Fer me fizesse sua…

Suas mãos eram ágeis e nossos beijos de saudades haviam tirado toda a razão que um dia existiu em mim. Fernando, me encostou na fria parede que existia do lado de fora da porta, e não pude evitar de soltar um pequeno gemido quando o calor febril de meu corpo foi ao encontro daquela superfície gelada…

Sem me dar conta, as mãos de Fer que estavam grudadas em minha cintura até aquele momento, seguiram até encontrar o laço do meu robe…

Ele desfez o nó que unia as partes, e quando essa barreira foi liberada, senti sua mão acariciar minha barriga, e depois fazer a curva da cintura tocando minha pele quando sua mão adentrou por de baixo da blusa do meu baby doll…

A textura sutil e o calor que emanava de suas mãos me deixaram sem chão.

Precisava urgentemente sentir sua pele sobre a minha, não poderia esperar mais para o sentir meu e me sentir sua novamente…

Guiada pela explosão de sentimentos que dominava meu corpo e abafava a voz de minha consciência, eu pronunciei aquela sentença que nunca imaginei falar. “Fer, vamos entrar…”

Minha voz ofegante chegou como um ar quente em seus ouvidos, naquele momento senti a pele dele se arrepiar e Fernando automaticamente olhou-me tentando talvez provar a si mesmo se havia ou não escutado aquilo…

“Você quer que eu entre?”

O olhei sedente de amor, e não o respondi com palavras, instantaneamente lhe dei mais um beijo apaixonado demonstrando toda a excitação que sentia…

Abri a porta, e depois de já termos adentrado minha casa eu a tranquei e mais uma vez o envolvi com meus beijos…

Fer também demonstrava o que queria, através de cada expressão que seu corpo emitia…

Não pude ter noção de tempo ou espaço quando o toque de suas mãos em meu corpo pressionaram ainda mais a minha cintura. Cada fibra do meu ser sentia o calor do corpo dele…

 Sem interromper o beijo e com sua mão ainda queimando em minha cintura, ele me fez voar.

Ergueu-me rapidamente do chão e envolveu minhas pernas em seu tronco. Automaticamente eu me encaixei perfeitamente a ele e naquele momento pude sentir sua evidente excitação.

Já era impossível conter os desejos e loucuras de nossas mentes repletas de amor.

“Vamos pro meu quarto Fer!”

“Você tem certeza disso meu amor?”

“Não!… Mais eu preciso tanto que você me faça sua…”

Fer me olhou desejoso e após me soltar calmamente no chão me virou de costas para ele e assim me guiou para um caminho que ele conhecia muito bem…

Subimos as escadas tentando não fazer nenhum barulho, em poucos segundos já estávamos no meu quarto…

Nossa ansiedade era tanta que no mesmo instante que colocamos os pés dentro daquele cômodo começamos a nos despir simultaneamente…

Assim como ele me ajudou a retirar minhas peças de roupas eu também o ajudei…

Fer e eu estávamos apenas com nossas roupas intimas quando eu lhe empurrei para que caísse em minha cama…

O olhava diretamente nos olhos, sabia que naquele momento exercia todo poder sobre seus sentimentos… Lentamente comecei a tirar o meu sutiã… Não via somente em seu olhar o desejo expressado, via em cada parte de seu ser…

 Ele me admirava, ele parecia guardar cada segundo de algo que eu executava, em sua mente…

Sem mais conter-se, Fer me puxou para ele, fazendo com que eu pressionasse meu corpo sobre o dele…

Suas mãos passeavam por minhas costas enquanto que as minhas envolviam seu rosto dentre elas e com meus olhos lhe transmitia todo o meu amor…

“Te quero tanto meu Fer! Eu te…”

“Não mais que eu minha Gaby…”

Seu corpo se moveu, seus braços me fizeram ficar por de baixo dele, em segundos seus lábios tomaram meus seios em caricias enlouquecedoras…

Gemer e agradecer a Deus mentalmente por aquele momento era tudo o que eu conseguia fazer… Meu corpo em fim havia encontrado com aquele que era o seu único dono…

Enquanto sua boca lambia e mordicava meus seios uma de suas mãos seguiu até o meu ponto mais intimo e afastando a minha calcinha começou a me dar ainda mais prazer…

Ansiava por cada caricia dele a tanto tempo, que os espasmos prazerosos que eu sentia pareciam se intensificar mais e mais a cada segundo que se passava de uma maneira que poucas vezes eu havia sentido…

Depois de já não suportar mais apenas seus toques e incontrolavelmente o querer dentro de mim, eu com minhas mãos fui de encontro ao seu membro e assim que as coloquei por dentre sua cueca o fiz estremecer…

“Gabriela… Você quer me enlouquecer?”

“Talvez eu queira…”

Retirei minhas mãos ainda relutante daquele ponto que tanto lhe dava prazer, sai de baixo dele e me posicionei ao seu lado de joelhos sobre a cama, estava prestes a ajuda-lo a retirar aquela única peça que faltava para que ele ficasse completamente nu quando escutei alguém bater na porta… Instantaneamente o olhei, e naquele momento fomos penalizados por nosso descuido… Quando entramos não havíamos trancado a porta… Paty sempre batia e logo entrava e foi que isso que ela fez… Eu puxei rapidamente o lençol e joguei sobre Fer mais talvez não a tempo de Paty perceber que ele também estava quase desnudo…

“Gaby… Me desculpa! Eu… jamais pensei que…”

“Tudo bem mana…”

A olhei sem saber mais o que falar, Paty entendendo o meu constrangimento saiu e fechou a porta novamente…

Eu corri até a mesma e a tranquei… Me encostei nela e ali fiquei tentando recuperar os meus sentidos perdidos com repentina entrada da minha irmã naquele quarto…

 Paty além de te deixado a atmosfera de uma cena constrangedora para os três, fez também despertar a razão que a minha saudade, loucura, paixão, e amor por Fernando haviam sufocado.

~ Meu Deus o que eu estava fazendo? Por pouco não me entreguei novamente a ele. Não, não poderia ter deixado que sua presença me dominasse dessa forma. Era exatamente isso que eu temia, me assombrava… Claro!Sabiano quarto  cama, esravale ponto que tanto lhe dava prazer e me posaiu e fechou a porta novamente.e transmitia todo o me Eu não tenho capacidade de suportar seu olhar, seu cheiro, seu beijo sem me entregar…~

 Meus instintos voltaram a me traicionar logo quando minhas decisões já haviam sido tomadas e firmadas. Sabia que não poderia esquecê-lo, nunca poderia apagar de minha mente tudo o que Fernando representou e ainda representa em minha vida. Mas também esquecer tudo o que já sofri por ele, por suas decisões estúpidas isso era quase que impossível…

 Meus pensamentos estavam me torturando. Saber do que quase havia acontecido me fazia perceber a minha vulnerabilidade perante a ele. Não podia me entregar assim sob as angustias do passado. O que receberia? Dor e sofrimento no dia seguinte?…

 Não!… Não poderíamos seguir por aquele caminho, não era o certo…

Depois de algum tempo ouvindo os gritos da minha razão ainda parada na porta olhei para o Fernando de certa forma envergonhada…

 Ao encarar seus olhos castanhos que pareciam analisar minha expressões, desviei meu olhar, abaixei a cabeça e tentei lhe falar o que deveria ser dito, mas de minha boca apenas saíam pequenos sonidos, rastros de uma voz atormentada por sua consciência…

 Ele percebendo minha crise interna, aproximou-se de mim e com um dedo apoiou o meu queixo, erguendo assim meu rosto fazendo com que meu olhar se chocasse contra o dele…

Meu coração voltou a se acelerar ao sentir seu toque e seu cheiro. Nossa proximidade apenas fez piorar minha vulnerabilidade, e o fato de ele estar olhando ternamente em meus olhos vestindo nada mais que uma cueca box preta me aterrava.

~ Como ele poderia ser tão egoísta assim? Ele estava dificultando tudo agindo daquela maneira. Será que ele tinha o conhecimento que eu não suportaria muito tempo,e se aproveitava disso?~

Parei de olha-lo mesmo que minha vontade fosse de envolver minhas mãos em seu pescoço e beija-lo até nossos pulmões implorarem por ar, mas minha razão estava segurando meus impulsos. O único problema é que ela não teria forças o suficiente para segurar-me por alguns minutos mais.

“Gaby… Gabriela olhe para mim meu amor.”

Sua voz doce e terna soou como uma ordem para mim, não pude me negar a novamente encarar aquela mirada que tanto me hipnotizava.”

“Fer…eu…”

“Não meu amor, não fale nada. Eu imagino tudo o que deve estar passando pela sua cabeça, e apesar de desejar te amar de todas as maneiras e durante toda a minha vida, sei que estávamos prestes a darmos um passo maior que a perna. E eu peço perdão por isso.”

“ Perdão? Não é você que deveria estar se desculpando agora Fernando, fui eu quem disse parar entrarmos, fui eu quem disse para virmos para o quarto, fui eu quem…”

“Mas fui eu quem insistiu por um beijo seu, não tinha o direito de fazer isso, depois do tanto que já te fiz sofrer.”

 Uma lágrima que não pude controlar escorreu por dentre meus olhos, lembrar tudo o que havia passado ainda me machucava intensamente.

“Não chore meu amor, não poderia aguentar saber que mais uma vez fui o motivo para sua tristeza.”

Com os rastros das lágrimas ainda percorrendo minha face o olhei para tentar ver sinceridade em seus olhos, e lá como esperava eu a encontrei. “Gabriela minha vida o que estamos fazendo? Nosso amor é algo puro, e não deve ser motivo para retaliações de ambas as partes. Te amo demais para ficar longe de você, talvez tenha sido por isso que não tenha conseguido controlar meus instintos hoje, não posso viver longe de você, não posso…”

 Eu o olhava sem conseguir pronunciar nenhuma palavra, minha voz interna gritava por lhe dizer

 ~ Eu te amo também, não posso viver longe de ti!~

Mas minha boca seca era incapaz de reproduzir algum som…

“Vamos fazer assim? Vamos esquecer o que acabou de passar, na verdade o que quase acabou de acontecer e …”

 “Esquecer?”

 “Não esquecer como se fosse um pecado, mas apenas recordar como algo bonito que em um futuro próximo e sem sombras do passado poderemos voltar a viver. Mas é claro, se você concordar. O que me diz senhorita Spanic? Aceita recordar isso ao meu lado?”

 “Fer eu… eu não sei o que dizer. Tenho tanto medo!”

“Eu também tenho, mas poderemos superar isso juntos… Sabe! Eu jurei a mim mesmo que não ia mas permitir que você sofresse que iria te reconquistar, não importa o tempo que passe e nem o que ocorra, eu sempre estarei contigo minha Gaby.”

 

“Promete?”

“Sim minha vida, sempre estarei ao seu lado.”

 Aquelas palavras de Fernando agiram como pinceladas de felicidade em minha alma, as lágrimas de sofrimento cessaram e um sorriso brotou em meus lábios. O amor que eu sentia por ele era maior que o medo de me machucar novamente. Depois daquela noite eu tinha a certeza que a minha vida sem ele por perto não teria sentido.

“E então senhorita Spanic? O que me diz?”

 Meu olhar que explodia em felicidade observava atentamente cada parte de sua apreensiva expressão. Eu não sabia como responder a aquela pergunta, minha decisão já havia sido tomada mas nenhuma palavra seria boa o bastante para traduzir tudo o que eu sentia. Percebendo que a cada segundo que passava seu rosto era tomado mais ainda pela angustia de não saber a minha resposta, eu resolvi o responder da melhor maneira que a minha mente repleta de amor pode arquitetar. Desviando o meu olhar do seu, eu olhei para baixo e toquei sutilmente em sua mão. O meu toque fez os olhos de Fernando brilharem e um esboço de um sorriso surgir em seus lábios. Enquanto voltava a me perder naquela iris castanha que tanto amava, meus dedos se entrelaçaram nos dele e sorrindo pronunciei aquele palavra de três letras.

“Sim.”

“Sim?”

Ele sorria como uma criança, um sorriso puro e sincero. Seu brilho no olhar havia se intensificado e eu podia ouvir o seu coração bater descompassadamente.

“Sim meu Fer, contigo ao meu lado eu me atrevo a tudo. Não importa o que aconteça no futuro, a teu lado sei que está o meu destino, a teu lado sei que esta a minha morada…”

Continua…

Escrito por:

Andrea Monteiro (https://twitter.com/MissBracho_)

Dayane Cristina (https://twitter.com/DayCristinaa

reblog
hace 7 meses on 22 Marzo 2014 @ 7:54pm 1 nota
« page 8 of 65 »