© theme. +

"Tu mano encaja en la mía como si fuera hecha especialmente para mí…”

reblog
hace 3 meses on 19 Enero 2014 @ 2:44pm 6 notas

De Repente é Amor

 Capítulo 16

Fer me deu várias opções sobre o que fazer à tarde. E eu optei por passear pela praia e depois almoçarmos a beira mar. Estava tudo tão perfeito, aquele estava sendo um dos dias mais felizes na minha vida, para ficar perfeito só faltava mesmo meu filho aqui. E agora que tudo estava ficando tão sério, eu estava ficando preocupada sobre como seria o relacionamento de Gabo e Fernando, eu queria que eles se dessem bem, eles tinham que se dar bem… Mas, não, Gabriela, agora não é hora de pensar nisso, é hora de curtir esse final de semana, que esse homem maravilhoso preparou só para vocês dois. Parecia um sonho, eu, Fernando e essa vista maravilhosa de Cancún. 

- Era assim que eu queria passar todos os dias da minha vida – Disse ele

- Com a brisa balançando seus cabelos, você com esse sorriso lindo, sem pressa para nada, sem ninguém para nos atrapalhar, só nós dois e todo o tempo do mundo – Ele tirava o meu cabelo que o vento cismava em colocar no meu rosto. Entrelaçando meus braços sobre seu pescoço, sussurrei baixinho.

– Hum… Para mim, parece o paraíso. 


- Eu te amo… - Ele disse isso tão baixinho, que fiquei na duvida se tinha sido imaginação minha. Depois me envolveu em seus braços e me beijou. Como estava sem salto, fiquei na ponta dos pés, o agarrei pela nuca e retribuí o beijo com todas as minhas forças. Ele foi cessando o beijo calmamente, como ele tinha me dito, sem pressa para nada.


- O que acha de almoçarmos agora? Você tem um compromisso para mais tarde.


- Hum… E qual é?

 
- Segredo - Sorriu encantadoramente fazendo meus olhos brilharem só de vê-lo sorrir. 

Eu e Fer almoçamos num restaurante, que tinha uma vista muito bonita para a praia, comemos uma paella que estava maravilhosamente boa. O almoço foi incrível, mas o que não ficava incrível com a companhia de Fernando? 


- A paella estava muito boa - Disse enquanto caminhávamos na areia, de mãos dadas, em direção ao carro.


- Sim! Eu amo paella!


- Eu também! E sei preparar uma como ninguém. Não estou querendo me gabar, mas minha paella é de comer rezando. Todos que comem, adoram. 
Ele parou de caminhar e disse sorrindo como um menino brincalhão.


- Então, quer dizer que além de linda, simpática, boa mãe e atriz maravilhosa, você é uma ótima cozinheira? Eu quero provar sua paella, hein… 


- Hummmm… Eu sou tudo isso? - Sorria e entrelaçando minhas mãos em seu pescoço.

 
- Tudo isso e muito mais. - Sorriu e me deu um beijo rápido.


- Agora, vamos porque senão vamos chegar atrasados. - Disse num tom misterioso.

 
Então, entramos no carro e fomos em direção a um lugar que Fernando não quis me dizer onde era e o que iríamos fazer. Depois de uns 20 minutos, chegamos a uma casa enorme rodeada de plantas, Fernando abriu a porta do carro pra mim e disse: 


- Agora você fica aqui e um motorista vai vir te buscar às 20h, aqui você terá tudo que precisa. Te espero para jantarmos. 


Olhei para ele um pouco confusa:

 
– Como assim?


- É um spa, meu amor, para você relaxar e se preparar para nosso jantar. - Disse calmamente sorrindo 


Coloquei meu dedo sobre seus lábios acariciando-os e disse:

 
- Mas eu não quero ir sem você, esse final de semana é só para nós dois, lembra? - Fernando beijou meu dedo docemente e disse


- Eu sei meu amor, mas isso faz parte da surpresa. Relaxe e divirta-se no spa enquanto organizo umas coisas. Prometo que depois que você sair do spa, não iremos mais nos desgrudar. - Sorriu alegre.


Eu não queria ficar nem um minuto longe dele, mas eu também não queria parecer melosa. Por fim, acabei aceitando. Fernando me deu um beijo e disse que precisava ir preparar o final da surpresa. 


No spa tive todos os mimos possíveis. Depois de ter feito todos os tratamentos que o spa oferecia e ter relaxado muito, a recepcionista do spa me levou em direção a um quarto, disse que lá tinha tudo que eu precisaria e que às 20hr o motorista estaria me esperando. Depois de toda aquelas massagens, sauna, cabelo e unhas feitos, eu estava me sentindo uma nova mulher e estava muito curiosa com tudo isso que Fernando estava fazendo. Ao entrar no quarto que a recepcionista me levou, fiquei chocada, tinha uma linda saia e uma blusa fina sobre a cama, uma caixa com brincos e um colar. Além de um belo par de sapatos incríveis. Depois de me recuperar desse choque, entrei no banheiro e fui tomar banho. Tomei banho e coloquei o roupão, mas quando ia colocar a roupa bateram na porta do quarto. Era a recepcionista junto com um homem que ela disse que era o maquiador que iria me maquiar e fazer um penteado. O homem entrou, fez uma linda maquiagem em mim e um penteado incrível. Agradeci e ele foi embora, me deixando sozinha novamente no quarto. Vesti a roupa, calcei os sapatos e coloquei os brincos e o colar. Quando olhei o relógio da parede, já eram 20h10min. Meu Deus estava 10 minutos atrasada. Quando sai do quarto, o motorista que Fernando mandou me esperava na recepção. Ele me deu boa noite e fomos em direção ao carro, chegando lá, ele abriu a porta para mim e fomos ao encontro de Fernando. Alguns minutos depois vi que estávamos indo em direção à casa que eu e Fernando estávamos hospedados. Quando chegamos na casa, o motorista abriu a porta do carro para mim. Olhando a casa, estava toda escura, não parecia ter ninguém ali.

 
- Tem certeza que você deveria me trazer aqui? - Perguntei confusa ao motorista.

 
- Sim, senhora! - Ele sorriu - Me siga!

 
Ele entrou na casa e eu o segui, ao chegar aos fundos da casa ele abriu a porta que dava acesso à praia.

 
- Divirta-se, senhora! - Disse isso sorrindo e voltou pelo caminho que percorremos. 
Quando passei pela porta para ir em direção à praia, tinha um caminho para eu não pisar na areia, que me levava a uma tenda e parado na porta da tenda estava Fernando sorrindo e mais lindo impossível. Estava elegante com um lindo blazer escuro. Fui em direção a ele. Ao chegar mais perto dele, disse sorrindo como uma menina encantada com tudo que ele havia feito:

 
- O que significa tudo isso?


- Primeiramente, antes de qualquer coisa, preciso dizer que você está incrivelmente linda. Como consegue ficar mais linda a cada minuto? Pensei que isso não fosse possível - Disse pegando a minha mão e fazendo com que eu ficasse bem junto dele - Segunda coisa, me dê um beijo porque eu já estava morrendo de saudade de você. Meu Deus! Como é difícil passar tanto tempo longe de você. - Sorriu e me beijou. Um beijo intenso e apaixonado.

 
Entrelaçando minhas mãos no seu pescoço, correspondi ao beijo, que ficava cada vez mais intenso até eu decidir pará-lo.

 
- Eu também fiquei com saudades de você, apesar do spa ser incrível – Comentei sorrindo ainda abraçada a ele. 


- Fico feliz que tenha gostado da sua tarde. - Se separou um pouco de mim e me olhou novamente dos pés à cabeça, segurando minhas mãos e afagando-as com carinho.


- Eu amei tudo! Muito obrigada, meu amor! - Sorri ao ver como ele me olhava com admiração - Mas, agora quero que você me conte o que significa tudo isso. 


Ele sorriu e disse:

- Tudo isso é o que você merece por ser assim. Escolhi que jantássemos aqui porque a lua está linda, o céu estrelado e a noite maravilhosa. Aqui nessa tenda tem tudo que precisamos para nossa noite ser perfeita. Vem, vamos entrar. - Pegou minha mão com entusiasmo e entramos na tenda.

 
Ao entrar na tenda, não pude evitar ficar boquiaberta, aquela tenda era enorme e tinha realmente de tudo. Fernando sorria ao ver minha cara de espanto. Eu parecia uma menina curiosa olhando toda a tenda cheia de velas, rosas e pétalas espalhadas, uma parte da tenda que estava com o piso coberto com lençóis e almofadões, ao lado tinha uma mesa com duas cadeiras e em cima da mesa champanhe no gelo e duas taças. Estava tudo incrível! Fernando era muito romântico. 


Fernando e eu apenas trocamos olhares de cumplicidade, eu amei a surpresa, mas não sabia o que falar. Eu estava emocionada e não queria estragar o momento. Enquanto eu estava olhando tudo, ele se posicionou atrás de mim, me abraçou, afastou todo meu cabelo para o lado direito, assim tendo livre acesso a uma parte de meu pescoço. Com sua mão direita acariciava minha cintura, deslizando a mão para cima e para baixo, sua mão esquerda ainda me abraçava pressionando levemente minha barriga, enquanto sua boca recorria meu pescoço com beijinhos suaves e fazia tudo isso no suave ritmo da batida da música. Todo esse toque e contato dele no meu corpo faziam com que eu me arrepiasse e sentisse milhares de borboletas voarem por meu estômago. Após isso, ele me virou com delicadeza fazendo com que eu ficasse de frente para ele, colocou suas mãos em meu rosto, depositou um terno beijo em minha testa e ficou olhando intensamente em meus olhos. Naquele olhar eu vi amor, tanto amor que eu jamais havia visto no olhar de alguém. Eu acredito que olhos realmente falam por nós e nossos olhos estavam dizendo que nos amávamos da maneira mais pura e singela que há nesse mundo. Nesses olhares que trocamos foi feita uma declaração de amor em silêncio, as palavras não faziam falta, dizê-las poderia até acabar com a magia do momento, tudo estava ali escrito naqueles olhos marrons, os mais lindos olhos que já vi. E meu Deus, o dono desses olhos é o amor da minha vida. Depois de vários minutos assim, ele me beijou. Um beijo calmo, apaixonado e carregado de amor. Quando o beijo estava ficando intenso, entrou um garçom na tenda segurando uma bandeja com dois pratos. Paramos os beijos e fomos à mesa, Fernando puxou a cadeira para mim e eu sentei.

Ele colocou seu blazer pendurado na cadeira, ficando só de camisa social, e sentou. O garçom colocou nossos pratos na mesa, abriu o champanhe, colocando em nossas taças e saiu no mesmo silêncio que entrou. 


- Meu amor, vamos jantar uma deliciosa pasta italiana, tomara que você goste. É um dos meus pratos favoritos.


- Irei confiar no seu bom gosto, amor. – Sorri
Tomei um pouco de champanhe e depois comi um pouco da pasta. E estava deliciosa.

 
- Hummm… Meu amor, você realmente tem bom gosto, essa pasta é a melhor que já comi. - Disse sorrindo e pegando na sua mão sobre a mesa.


- Fico muito feliz que tenha gostado! - Disse afagando minha mão. 


Comemos, bebemos, conversamos e rimos. A noite estava maravilhosa, a brisa da praia estava uma delícia e a companhia de Fernando é a melhor, sem dúvidas. Estava contando a ele como foi minha tarde no spa, quando o garçom entrou novamente na tenda trazendo uma bandeja com nossas sobremesas. Colocou a sobremesa sobre a mesa e saiu novamente.
A sobremesa era uma torta trufada com morango. Fer pegou uma colher, partiu um pedaço de torta e colocou na frente da minha boca. Sorri e depois de fazer um monte de gestos, murmurei:
- Meu Deus! Que delícia! - Fer sorri e me dá outro pedaço.


- Posso provar a sobremesa? - Perguntou ele com um sorriso malicioso, levantando-se de sua cadeira veio em direção a mim. Quando peguei a colher para dar a ele um pouco da minha sobremesa, ele me levantou da cadeira delicadamente e olhando bem no fundo dos meus olhos disse:


- Não essa sobremesa… Você! - Eu sorri e ele me beijou. Um beijo intenso e voraz. Sua língua explorando toda minha boca com tranquilidade e eu extasiada, numa overdose de milhares de sentimentos. Com suas mãos ele me apertava mais a seu corpo e me acariciava. 
Depois de uns minutos nesse beijo frenético, ainda me beijando, ele foi me deitando com cuidado sobre o lençol e as almofadas, ficando assim, deitado sobre mim. Cessei o beijo um instante, olhei em seus olhos e disse com a respiração entrecortada.

- Eu te amo! 


Ele sorriu e voltou a me beijar com toda paixão. Minhas mãos percorriam suas largas costas, para cima e para baixo. Puxei sua camisa desensacando-a para depois poder abri-la. Fernando parou o beijo, mordiscou levemente meu lábio inferior, levantou-se de cima de mim e me fez ficar sentada, assim me livrou de minha blusa e me beijou novamente. Enquanto me beijava eu abria os botões de sua camisa rapidamente, tinha pressa de tocar seus músculos quentes e macios. Após tirar a camisa de Fernando ele me deitou novamente. De pé tirou sua calça e eu deitada tirei minha saia, ficando assim, só de calcinha e sutiã. Ele sentou, só de cueca, observando-me.


- Você é linda! 


Beijou-me com devoção e desceu com seus lábios até meu pescoço, beijando meu pescoço foi baixando a alça do meu sutiã cobrindo de beijo onde passava sua mão. Fechei meus olhos para sentir melhor suas carícias. Com suas mãos, abriu meu sutiã, após tirá-lo, deu um suave beijo em meus seios. Um leve gemido saiu de meus lábios. Beijou meus seios, minha barriga e continuava descendo fazendo com que eu me arrepiasse cada vez mais com seus beijos. Ele deteu seus beijos em meu umbigo, tirou minha calcinha com calma e plantou um beijo ali, em minha intimidade, fazendo com que um leve gemido saísse novamente de minha garganta. Ainda de olhos fechados sentia todas suas carícias até que ele parou, olhou em meus olhos e adentrou no mais profundo do meu ser. Nossos corpos se completavam, fomos feitos um para o outro. Beijou-me e começou a mover-se lento e suavemente, sempre olhando em meus olhos. Beijando-nos, depois de vários vai-e-vem chegamos ao extremo de nossa paixão, explodimos os dois de felicidade e amor num gemido uníssono. Ainda em êxtase pelo momento, ele saiu de dentro de mim e deitou-se ao meu lado, puxando-me para o seu abraço alisou meus cabelos com suas mãos firmes e beijou minha cabeça.

 
-Eu amo tanto você minha menina! 


Não conseguia falar nada, milhares de sensações ainda percorriam meu corpo. Apenas sorri e o beijei demonstrando nesse beijo todo o amor que conseguia. Depois de cessar o beijo, aconcheguei-me mais em seus braços e assim adormecermos.

Escrito por: - 

reblog
hace 3 meses on 18 Enero 2014 @ 2:48pm 1 nota

De Repente é Amor

 

Capítulo 15

Naquela noite eu custei a pegar no sono, a imagem do que fizemos na sala, aliás, do que ele fez na sala ficou na minha memória durante a maior parte da noite, até o sono me vencer.

Na manhã seguinte acordei com Fer me ligando… Mas, espera, eram 6h da manhã. O que ele queria comigo tão cego?

- Oi, amor! Aconteceu alguma coisa? – Disse sonolenta

- Aconteceu! Aconteceu que esse fim de semana você será só minha e de mais ninguém. - Disse animado

- Hã? Como assim, Fer? – Respondi confusa

 - Você está sendo sequestrada com o seu consentimento, arrume suas malas e às 8h estarei passando aí para te buscar, vamos viajar e voltaremos na segunda de manhã.

- QUE? COMO? PRA ONDE?

 - Isso é segredo, uma surpresa para você. Você tem que confiar em mim

- Eu confio, Fer, mas não podemos viajar assim de uma hora para outra. E meu filho e sua irmã que está com o braço quebrado?

- Bem, sobre Gabo, creio que sua mãe, que já sabe sobre nós, pode cuidar dele, né? Na próxima viagem prometo que ele irá conosco. E, sobre Anna, ela está bem melhor e eu falei a ela que iria numa viagem de negócios. Não quero que ninguém nos interrompa nesse final de semana, seremos só eu e você e mais ninguém. Então, o que me diz? – Ele estava tão entusiasmado, falava tão rápido que eu precisava digerir as palavras dele antes de responder.

- Fer… Eu não sei… Meu Deus, como você organizou essa viagem em apenas algumas horas?

 - Eu tenho minhas formas, minha menina! Então, às 8h estarei aí, ok?

Ao ver que eu fiquei quieta por um bom tempo, Fernando rompeu o silêncio

 - Gaby? Você vai, não é?

Era uma loucura? Era, mas o que eu mais queria era poder estar a sós com Fernando e eu não podia responder outra coisa a não ser:

- SIMMMM! Estou indo arrumar as coisas e avisar a minha mãe, te espero às 8h.

 - Eu sabia que sua resposta seria sim! Até daqui a pouco, meu amor.

- Espera! – Disse desesperada

- O que foi? - Falou meio assustado

- E que tipo de roupas eu levo? Roupas de inverno? De verão?

 - De verão, amor!

- Humm… Ok, até daqui a pouco, meu amor!

Desligando o telefone fiquei por uns minutos digerindo toda essa conversa. Então, eu preciso avisar a minha mãe para cuidar de Gabo, avisar a Gabo que irei viajar a ‘negócios’ e arrumar as malas. E você tem – Olhei para o relógio da cabeceira da minha cama - Menos de duas horas para fazer tudo isso! Oh céus! GabySpanic ativando super poderes. Fui tomar banho rapidamente, me arrumei , optei por um vestido e uma jaquetinha jeans e fui arrumar a mala, o que foi uma tarefa difícil já que não tinha muito tempo. Arrumei tudo em tempo recorde. Foi difícil, mas consegui! Ponto para GabySpanic. Desci para tomar café da manhã e conversar com a minha mãe que estava sozinha na cozinha.

 - Bom dia, mãe! - disse sorrindo e dando um beijo em sua bochecha

- Bom dia! Impressão minha ou hoje você acordou mais feliz que o normal? - Disse dando um beijo na minha bochecha

- Sim, estou muito feliz! Acordei com uma ligação do Fernando! - Falava seu nome sorrindo como uma adolescente apaixonada

 - Hummm! Logo imaginei! - Sorriu Sentei a mesa, minha mãe colocou duas xícaras de café na mesa e sentou-se também. Então, comecei a explicar à ela a proposta que Fernando tinha feito.

 - Fernando me chamou para viajar com ele hoje e voltar segunda. Mas só vou se a senhora puder ficar com o Gabo.

 - Ah, filha, fico muito feliz em ver como esse rapaz te faz feliz. Claro que fico com o Gabo para você ir. - Disse afagando as minhas mãos com cumplicidade

- Muito obrigada, mãe! - Sorri

Terminamos de tomar o café e fui acordar Gabo para lhe dizer que iria viajar. No começo ele não gostou muito da ideia, mas lhe disse que na segunda-feira estaria de volta e ele aceitou. Pouco tempo depois que terminei de falar com Gabo, Fernando mandou uma mensagem dizendo que já estava na porta me esperando. Me despedi do meu bebê e da minha mãe. Como era ruim me separar do meu pequeno, sentiria saudades dele, mas seriam apenasdois dias. Peguei minha mala e fui encontrar com Fernando que me esperava no carro. Ao me ver eles desceu só apara abrir a porta do carro para mim. Quando viu o tamanho da minha mala falou sorrindo:

- Amor, vamos viajar por dois dias, não por um mês!

- Não ria de mim, senhor Colunga! Que eu saiba é o senhor que está todo misterioso sobre para onde iremos e como eu não sabia, coloquei roupa para várias ocasiões.

- Sempre exagerada essa minha menina! – Me deu um beijo na testa e colocou a mala no porta malas.

Quando entramos no carro ele me deu um suave beijo.

- Preparada para a surpresa? - Disse radiante

 - Hummm… Estou curiosa, amor.

- Você irá amar a surpresa, só posso te dizer isso.

Quando chegamos ao aeroporto, fomos à uma área para voo particulares. Chegando lá, um jatinho particular estava à nossa espera. Colocaram nossas malas no jatinho e logo entramos.

 - Meu Deus! - Disse surpresa

- O que foi? - Disse-me sorrindo como se achasse aquela situação toda muito divertida

 - Você alugou um jatinho? Tudo isso é para eu não descobrir para onde vamos?

 - Sim, afinal é uma surpresa.

 - Você não vai mesmo me contar para onde vamos, não é?

 - Não! - Sorriu me dando um rápido beijo - Mas já está perto de você descobrir, senhorita. Daqui algumas horas chegaremos ao nosso destino.

- Quanto mistério! - Sorri

Sentamos juntos e pouco tempo depois o avião decolou. Eu passei a viagem toda abraçada sobre Fer, trocando beijos e carinhos.

 - Eu amo te ter assim sabia? – Disse ele

- Assim como?

- Abraçadinha comigo.

- Hum… Eu também amo. Parece que quando estou em seus braços estou protegida do mundo – Disse me aninhando mais ainda a ele.

- E eu gosto que se sinta assim porque eu quero e irei te proteger de qualquer pessoa que tentar te fazer mal novamente – Disse acariciando as minhas costas.

- Fer, eu nunca encontrei ninguém como você. Eu passei a minha vida pensando quando encontraria um homem que valesse a pena lutar, e aí, você reapareceu e foi como se eu tivesse tido você durante toda a minha vida e não tivesse enxergado isso.

 - As coisas acontecem quando tem que acontecer, meu amor! Eu sei que perdemos muitas oportunidades, que poderíamos ter vivido tudo isso há muito tempo. Mas as circunstâncias do destino só permitiram isso agora e, com certeza, tem um porquê, verdade?

- Sim, eu sei, mas agora que eu te “encontrei” – Disse fazendo sinal de aspas com os dedos - Eu não vou te deixar ir nunca mais.

- Eu que não vou deixar minha menina ir a lugar nenhum, que não seja do meu lado.

Fernando começou fazer cócegas em mim.

- Fer, nãaao! Eu sinto cócegas – Disse dando gargalhadas

- Sério? E aqui você também sente? – Disse fazendo cócegas na minha barriga.

 - Fer… É sério, eu não estou conse… guindo respirar… Para! – Eu dava gargalhadas tão altas que creio que até o comandante escutou.

Quando eu estava mais vermelha que um pimentão, ele parou.

 - É bom saber que você perde a respiração quando está perto de mim – Ele gargalhava feito uma criança.

 - Seu idiota! – Dei um soco em seu peito de brincadeira – Isso vai ter volta.

Minutos depois o avião aterrissou. Quando descemos do avião Fernando colocou uma venda em meus olhos.

 - Você ainda vai continuar fazendo mistério?

 - Sim, meu amor! Você vai ter que ficar com seus lindos olhos vendados até chegarmos a um lugar.

- Meu Deus, você está me deixando muito curiosa.

- Falta pouco, falta pouco!

 Não seja uma menina má, tenha paciência. De olhos vendados fui guiada até um carro por Fernando. Depois de alguns minutos o carro parou e Fernando me guiou para fora. Andamos um pouco e entramos em um lugar, acho que uma casa. Subimos uma escada, andamos mais um pouco e Fernando parou.

- Finalmente vou poder saber onde estamos?

- Sim, meu amor! Agora, sim! - Disse tirando a venda de meus olhos.

Quando ele tirou a venda de meus olhos fiquei boquiaberta com a beleza do lugar que estávamos. Era um quarto com uma varanda com uma linda vista do mar.

- Meu amor! Que lindo! - Disse encantada - Onde estamos?

- Que bom que gostou! Estamos em Cancún, numa praia um pouco afastada das outras, quase uma praia deserta.

 - É incrível! - Entrelaçando os meus braços sobre seu pescoço o beijei apaixonadamente - Muito obrigada por essa surpresa linda!

 - A surpresa está apenas começando, meu amor! - Disse sorrindo misteriosamente e afagando meu rosto.

Escrito por: -

reblog
hace 3 meses on 18 Enero 2014 @ 2:46pm 1 nota

Capítulo 102, La Usurpadora. ♥

» via  foryoul0ve   (originally  foryoul0ve
reblog
hace 3 meses on 17 Enero 2014 @ 4:39pm 8 notas

utreraicons:

Banner SpaniColunga 

Se usar créditos a @BRSpaniColunga

» via  iconsgabyspanic   (originally  editionspanic
reblog
hace 3 meses on 17 Enero 2014 @ 4:32pm 5 notas

Pack SpaniColunga

utreraicons:

image

image

Pack icon & capa SpaniColunga Preto e branco

se usar créditos a @elena_te_amo

» via  iconsgabyspanic   (originally  editionspanic
reblog
hace 3 meses on 17 Enero 2014 @ 4:30pm 4 notas

Capítulo 36, La Usurpadora.

» via  madonnaspanic   (originally  madonnaspanic
reblog
hace 3 meses on 17 Enero 2014 @ 4:26pm 3 notas

De Repente é Amor

 

Capítulo 14

Vesti meu vestido e logo fui embora também. No caminho de volta para casa fiquei pensando em tudo que aconteceu e no que poderia ter acontecido. Que frustração, meu Deus! Mais uma vez essa Anna acabando com tudo, por que essa menina tem que existir? Ok, Gabriela! Esqueça-se disso! O importante agora é que essa menina fique boa rápido, não a quero alugando meu namorado muito tempo.

Quando cheguei em casa minha mãe perguntou se eu e Fernando voltamos a ficar bem um com o outro e eu lhe disse que sim, não queria contar a história detalhadamente, então fui brincar com Gabo. Uns minutos depois Fer me ligou, pediu desculpas mais uma vez e disse que a Anna estava bem, iria engessar o braço e logo iria para casa. Depois que desliguei o celular, voltei a brincar com meu filho. Tomamos banho e depois jantamos, por volta das 22h coloquei um filme para assistirmos.

Mas que coisa, será que Fer tinha esquecido de mim ou ainda estava ajudando aquela peste? Ai, Gabriela, Gabriela, você tem que tentar ter uma boa relação com essa menina ou isso pode prejudicar o seu relacionamento com Fernando. Será que ela contou sobre a discussão e o tapa que lhe dei e Fernando está com raiva de mim? Eu deveria ter lhe contando antes sobre o que tinha acontecido porque sem dúvidas nenhuma ela aumentou os fatos a favor dela, é claro. Pensando sobre tudo isso mandei uma mensagem para Fernando

Mensagem enviada:

 A Anna está melhor? Você disse que viria e até agora nada.

Depois de esperar por quase 20 minutos, ele respondeu.

Mensagem recebida:

 Sim, ela está melhor! Desculpe a demora, só visualizei a mensagem agora. Eu não pude passar aí antes porque estava cuidando da Anna, se não for muito tarde, posso ir aí agora para conversarmos.

Certeza que ela tinha contado sobre a discussão para Fernando, até porque não tínhamos mais nada para conversar já que tínhamos resolvido tudo.

Mensagem enviada:

Pode passar, estou te aguardando! Assim que chegar me manda uma mensagem que eu desço.

Então, eu esperei, esperei e esperei. Gabo já tinha caído no sono, já eram 23:30, todos já estavam dormindo e nada de Fernando chegar.

 Mensagem recebida:

 Estou na sua porta.

Me levantei da cama em silêncio para não fazer barulho, coloquei meu robe sobre a camisola e desci.

- Oi, amor! – Dei um beijo em seus lábios – Você está com uma carinha de cansado. - Afaguei seu rosto carinhosamente

- É o dia hoje foi muito cansativo! Você já esta de camisola, já estava pronta para dormir, né?

 - Sim, mas estava esperando já que você disse que viria. Está um pouco frio, melhor conversarmos lá dentro!

- É melhor, não quero que você se resfrie. Abraçada contra seu peito entramos na minha casa e fomos até a sala.

- Quer beber ou comer alguma coisa?

 - Não, amor! Vem cá! – Disse me puxando para seu colo – Você ficou chateada hoje, não é?

 -Eu entendi,Fer! Foi uma urgência. Mas não é uma das melhores situações para ser interrompida – Disse sorrindo

 - Hummm, a Anna me contou sobre a briga de vocês…

Sem nem esperar ele terminar a frase, me levantei de seu colo e comecei a falar sem parar enquanto ele me olhava com uma expressão indecifrável em seu rosto.

- Olha, Fernando, eu sei que ela deve ter me posto como uma bruxa, mas a verdade é que ela me ofendeu primeiro e eu também não tenho sangue de barata. Ao ouvir todas aquelas coisas eu não pude me controlar. Ela, com certeza, me colocou como a única culpada e ela a santinha, não é? Mas você tem que entender que a sua irmãzinha na sua frente é um doce, mas por trás ela não é nada disso do que aparenta ser.

Fernando só me observava e eu estava ficando nervosa, por quê ele não falava nada?

- O que foi? Fala alguma coisa. Você, com certeza, não vai querer defendê-la depois de tudo que ela me falou e…

- Gabriela, calma! - Disse me interrompendo - Ela me contou tudo e, muito pelo contrário, ela não se colocou como a santinha, ela está muito arrependida de tê-la ofendido e até propôs que fôssemos jantar, os três juntos, para ter pedir desculpas pessoalmente. Você não deveria julgá-la tão mal, encheu a boca para falar o dia todo que ela não gosta de você, mas eu vejo o contrário. E, ela é a minha irmã, eu ficaria muito feliz se você não implicasse tanto com a mesma.

 Não acredito que a Anna falou a verdade. Talvez ela não fosse tão ruim quanto eu pensava que fosse. Não, Gabriela! Para! Claro que essa menina é má, lembra de tudo que ela te falou? Ai, por favor. Essa ninfetinha deve estar tramando algo, mas vou mostrar que sou mais esperta que ela. E se ela pensa que vai me separar do Fer está muito enganada.

 - Fernando, eu… Eu nem sei o que te dizer, mas que bom que a Anna falou a verdade sobre o que aconteceu. Me desculpa - Disse sem graça

- Está tudo bem, meu amor. Agora tenho certeza que se vocês se conhecerem melhor vão gostar uma da outra e serão grandes amigas. - Disse sorrindo

 Amigas? Ai meu Deus! Ele quer que eu seja amiga dela, mas ela me odeia. Tudo bem, não vou falar isso com ele agora porque não quero discutir, quero apenas que a gente fique bem. E se for pra gente ficar bem, eu tento ser amiga da Anna, mas ela vai ter que colaborar.

- Para você não ficar pensando que eu tenho implicância com ela, aceito ir jantar com vocês, pode marcar. - Sorri

- Você é linda, sabia? - Disse me puxando para sentar em seu colo novamente - E se eu pudesse te sequestraria, agora! - Disse sorrindo e depois me beijou.

- Hummm! Para onde você me levaria senhor Colunga? Talvez eu aceite ser sequestrada por você.   - Sorria enquanto passava os dedos delicadamente pelos lábios dele.

- Para um lugar que ficássemos só nós dois, sem ninguém para atrapalhar o que começamos hoje. - Disse e me beijou novamente, dessa vez foi um beijo mais intenso, carregado de desejo. Mordendo o lóbulo da minha orelha Fernando falou:

- Eu preciso te recompensar a frustração de hoje

 Abri a minha boca para responder, mas Fernando me calou com um beijo. Seu olhar tinha mudado, não era mais um olhar doce e sim, um olhar de desejo. Quando dei por mim eu já estava deitada no sofá com Fernando sobre mim beijando o meu colo e abrindo o meu robe. Dando beijos e leves mordidas sobre meu ombro, Fer, foi abaixando a alça da minha camisola até meus seios ficarem expostos para ele. Ele os agarrou com as mãos, explorando-os com apertões suaves.

- Fer…

- Shiiii… Eu estava ficando maluco só de imaginar você nua novamente sobre os meus braços. Acredite que te deixar hoje naquele quarto foi mais difícil para mim do que pra você.

Então ele abocanhou um dos meus seios me fazendo dar leves gemidos e produzindo uma grande onda calor sobre meu corpo. Meu olhar buscou rapidamente o relógio da sala. Eu tinha medo que alguém aparecesse ali.

 - Fer… Não… – Disse ofegante Ele me olhou profundamente com aqueles olhos castanhos, que eu tanto amava. Amava? Ai meu Deus, eu o amava…

- É uma loucura, eu sei,Gaby, mas eu preciso disso.

Sua mão abriu caminho até o meio de minhas pernas e elas se abriram instintivamente, sem pudor. Eu necessitava tanto de seu toque, de suas mãos e sua boca sobre mim. O toque de seus dedos eram rápidos e precisos. Eu não tinha mais controle sobre o meu corpo, naquele momento ele pertencia a Fernando. Eu estava ofegante, girando meus quadris no ritmo dele, sentia que a qualquer momento iria chegar ao clímax.

Cheguei ao clímax com um grito abafado, cravando minhas unhas no sofá para impedir meu grito. Eu o olhava intensamente e em seus olhos eu via o brilho de prazer, por ter me dado prazer. Fer arrumou minha calcinha de volta, me beijou apaixonadamente e me sentou em seu colo, assim ficamos por um bom tempo. Até eu acalmar a minha respiração.

 - Obrigado – Disse ele

 - Pelo o que?

- Por isso!

 - Eu queria poder terminar isso, mas não aqui.

- Eu sei meu amor, eu sei – Ele passava os dedos sobre meus cabelos – Agora eu preciso ir, está muito tarde.

 O levei até a porta e nos despedimos dando beijos apaixonados.

- Boa noite, minha menina! Bons sonhos! - disse e foi embora. Entrei e fui para o meu quarto tentar dormir, o que não consegui muito facilmente.

Escrito por: -

reblog
hace 3 meses on 10 Enero 2014 @ 8:02pm 1 nota

Capítulo VIII

Las semanas pasaron muy rápidas, y el día, el gran día del Festival se acercaba. Los ensayos para las presentaciones estaban a todo ánimo, y todos eran abiertos al público de toda la ciudad, para que pudieran disfrutar de la maravilla artística producida por los alumnos del renombrado Colegio.

Cierto día, Elisa me invitó a ver uno de los ensayos. Yo no quería ir, estaba siendo una pésima amiga, ya que estaba sin ánimo para nada, y lo peor es que no sabía el motivo. Y aunque en el colegio no se hablaba de otra que no fuera del evento, para mí daba igual. Pero para mi desgracia Lili era muy insistente y yo sabía lo cuán importante era aquel Festival para ella, entonces no tuve como no aceptarlo y fuimos a ver el ensayo.

Cuando llegamos al colegio ya había mucha gente en el salón de baile, y yo pensé conmigo misma que aquella presentación debería estar impecable para atraer tanta gente como de hecho atrajo.

- ¡Buenos días personal! Hoy estamos en nuestro penúltimo día de ensayo, y esperamos a que ustedes aprueben y que una vez más llevemos este premio no solamente para el colegio sino también para nuestra ciudad, para ustedes.

- Lo dijo la sabetodo… - dijo Elisa en voz baja.

- ¿No me digas que ésa es la tal Isabel?

- Sí mi amor, la propia.

Hice una mueca de descaso y Lili se rió burlesca. Me concentré en mi móvil, no tenía las mínimas ganas de ver realmente aquel ensayo, estaba allí por mi amiga solamente. “No, mentira, estás  aquí por él, confiésalo Gabriela.” Una voz oculta estorbaba mi mente y confundía mis pensamientos. Y luego de pronto él apareció en el salón embalándose en la canción que ambos cantarían…

Fernando empezó con la canción. Inspirador, radiante como siempre, enseñando al público que estaba dando su mejor y dedicándose al máximo. Mientras tanto, la tal Isabel empezó a representar y a mirarlo provocante, y se podía notar también unas cuantas chicas delirando con la presencia de él. Tengo que confesar que él estaba realmente lindo, con aquel uniforme desarreglado y su pelo despeinado.

- Ay Dios mío que está en el cielo… ¡Qué bombón! – dijo Elisa mordiendo los labios y presionando mi brazos, quitándome de mi propio mundo. – Pero sin celos eh, no soy de ésas que traiciona las amigas pero… ¡Pero él es un tipazo!

Le disparé mi mirada de desaprobación, ¿qué quería Elisa con esos comentarios? Tenía miedo de que alguien la escuchara y que inventara unos cuántos chismes y que yo fuera el centro de ellos, cosa que siempre he odiado.

A lo largo del ensayo las cosas estaban poniéndose tensas y a mi ver, saliendo de su “normalidad”. Aquellos dos estaban muy enredados para una sencilla escena, Isabel lo agarraba y él la miraba muy profundamente. “¡Ay ya Gabriela! ¡Basta ya con eso! Es solamente una representación, a él no le gusta ella, mira cómo… cómo las manos de ella pasean por su pecho, ¡ay qué resbalosa! ¿Y él no hace nada para evitarlo? No, no puedo permitirlo, tengo que hacer algo…”

Una vez más aquellas voces ocultas asombraban mis pensamientos, hasta parecía aquella imagen del ángel y del diablo mezclando mis ideas, pero tenía que contenerme, mantener la postura y evitar la figura de “amiga loca celosa”.

Y cuando pensé que aquella situación no podría ponerse peor, una furia loca invadió mi ser cuando la zorra de Isabel agarró el cuello de mi… De Fernando, y él le dio una sonrisa como que le gustaba lo que estaba ocurriendo. Era como todos los hombres, todos son iguales, no pierden la oportunidad, aún más con aquel tipo de mujer tan fácil como la tipa ésa, Isabel.  Sí, de esa vez no estoy siendo radical al pensar así de ella, ya que vi con mis propios ojos lo que ella hacía, seduciéndolo.

Aquel cambio de estilo musical de balada romántica a la salsa hizo de la presentación algo vulgar e inaceptable.

- Ya Elisa, ¡ya! No me quedo aquí ni un segundo más… - dije levantándome y saliendo con el intento de que él no me notara, pero como una tonta celosa terminé por causar cierto alboroto y creo que ella me vio, pero hice cuestión de no encararlo, no lo reconocía con aquellas actitudes “artísticas” que acababa de ver.

Escrito por: Patrícia Duarte <3 (https://twitter.com/patysduaarte)

reblog
hace 3 meses on 10 Enero 2014 @ 9:03am

"No consigo olvidar esa mirada que me hace estremecer…”

reblog
hace 3 meses on 9 Enero 2014 @ 2:04pm 8 notas
« page 8 of 58 »